Nacional
Editora queixosa recusa acordo com Tony Carreira no processo de plágio
Tony Carreira apresenta linha de perfumes Foto: Divulgação
Redação Lux em 6 de Fevereiro de 2018 às 14:00

O acordo assumido em tribunal entre a editora Companhia Nacional de Música (CNM) e Tony Carreira, a 27 de novembro do ano passado, no âmbito do processo em que o cantor é acusado de plágio, ficou sem efeito.

A CNM “aceitou verbalmente” o acordo, no início de dezembro, renunciou à procuração.

A Companhia Nacional de Música não contribuirá para qualquer acordo que possa frustrar a legítima expectativa da opinião pública ou evitar que o tribunal cumpra a sua inalienável obrigação de decidir”, refere um requerimento enviado pelo proprietário da CNM, Nuno Rodrigues, ao Tribunal de Instrução Criminal (TIC) de Lisboa, consultado esta terça-feira pela agência Lusa.

 

Assim, o cantor vai ter regressar ao Tribunal de Instrução Criminal (TIC) de Lisboa a 22 de fevereiro.

Recorde-se que segundo o acordo de novembro, Tony Carreira deveria entregar 10.000 euros à Câmara Municipal da Pampilhosa da Serra, para apoio aos danos causados pelos incêndios, e mais 10.000 euros à Associação das Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande.

Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico
Comentários

pub
Mercado
pub
Outros títulos desta secção