Internacional
Redação Lux em 4 de Maio de 2018 às 17:21
Casado há 22 anos, Hugh Jackman confessa estar cada vez mais apaixonado pela mulher
1/10 - Hugh Jackman e Deborra-Lee Furness - 70º Globos de Ouro Fotos: Reuters
2/10 - Hugh Jackman e Deborra-lee Furness - Prémios do Conselho de Governadores de Hollywood 11.11.17 Foto: Reuters
3/10 - Hugh Jackman e Deborra-Lee Furness - Estreia de «Pan» em Londres 20.09.2015 Foto: Reuters
4/10 - Hugh Jackman e Deborra-Lee Furness - Open de Ténis, dos Estados Unidos Foto: Reuters
5/10 - Hugh Jackman e Deborra-Lee Furness - Última homenagem a Oscar de la Renta (Foto: Reuters)
6/10 - Deborra-Lee Furness e Hugh Jackman - Famosos no U.S. Open em Nova Iorque Fotos: REUTERS
7/10 - Hugh Jackman e Deborra-Lee Furness - «Os Miseráveis» - 63º Berlinale Foto: Reuters
8/10 - Hugh Jackman e Deborra-Lee Furness - 85ª Gala dos Óscares de Hollywood Foto: Reuters
9/10 - Hugh Jackman e Deborra-Lee Furness - 70º Globos de Ouro Fotos: Reuters
10/10 - Com a mulher, Deborra-Lee Furness - Hugh Jackman recebe estrela no Passeio da Fama de Hollywood Foto: Reuters

Hugh Jackman e Deborra-Lee Furness têm um dos casamentos mais longos da história de Hollywood e o ator, de 49 anos, não se poupa a declarações de amor públicas à mulher de 62.

Prova disso, é a mais recente mensagem que o ator fez questão de deixar nas redes sociais, no dia em que comemorou 22 anos ao lado da mulher:

”Acredito que, na vida, precisamos de ver e ser verdadeiramente vistos pelas pessoas mais importantes das nossas vidas. Deb, desde o primeiro dia, nós tivemos isso. 22 anos depois... fica ainda mais profundo. Tu e os nossos filhos são o maior presente que já recebi. Amo-te.”

A história de amor do casal de atores começou quando, Hugh, então com 20 anos, foi convidado para o seu primeiro papel em televisão, na série “Correlli”. Deborra, 13 anos mais velha, era a atriz com quem ia contracenar. Ao programa “The Jess Cagle Interview”, o ator recorda esse tempo:

“A Deb era uma estrela. Um dia fui de boleia no mesmo carro que ela. A Deb estava à frente, quando entrei, tirou os óculos escuros, olhou para mim, no banco de trás e disse: ‘Olá, sou a Deborra, prazer em conhecer-te.’ Percebi logo que gostava dela”, diz Jackman, que confessa que só seis semanas depois ganhou coragem para dizer o que sentia: “Éramos os melhores amigos, mas percebi que estava apaixonado por ela. Um dia convidei-a para jantar, juntamente com um grupo de amigos e declarei-me. Ela disse que sentia o mesmo. Nunca, num milhão de anos, pensei que fosse recíproco.”

A paixão pela mulher é, segundo Jackman, cada vez maior. Na mesma entrevista, o ator confessou:

“Um dos pontos fulcrais na minha carreira, que começou tarde, é que já estava com a Deb, já éramos uma equipa, e estávamos loucamente apaixonados, antes do meu sucesso. Mesmo em eventos como os Óscares, entro, coloco a minha mão no peito e procuro sempre a Deb na plateia. Não deixo ninguém entrar no meu camarim até ela estar lá, porque ela é o meu alicerce, o meu rochedo, o alicerce da nossa família, é tudo na minha vida.”

Jackman afirma que, acima de tudo, a prioridade de ambos são os filhos, Oscar, de 17 anos, e Ava, de 12.

“Foi difícil para nós. Passámos por tratamentos de fertilidade e alguns abortos. Foi muito complicado para a Deb. Decidimos adotar crianças multirraciais. Digo sempre aos meus filhos: ‘Não interessa a orientação sexual, a altura, se o cabelo é liso ou encaracolado, ou a raça. O que nos define como seres humanos está muito para lá disso. É importante que se sintam respeitados, que os tratem bem e que não se deixem levar por abusos de poder.” 

Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico
Comentários

pub
Mercado
pub
Outros títulos desta secção