Internacional
Multimilionário Philip Green acusado de assédio sexual
Philip Green, com os filhos Chloe e Brandon - Topshop Unique - primavera/verão 2016 - Semana da Moda de Londres 20.09.2015 Foto: Reuters
Redação Lux em 29 de Outubro de 2018 às 11:42

Peter Hain, membro da Câmara dos Lordes do parlamento do Reino, tornou público que o multimilionário britânico Philip Green tentou conter a publicação de denúncias de assédio sexual feitas por cinco funcionários.

A acusação contra Green, de 66 anos, cujo império de moda inclui as marcas Topshop e Topman, foi feita depois de vários meios de comunicação informarem que "estavam amordaçados". O The Daily Telegraph publicou na primeira página "O escândalo britânico de 'Me Too' não pode ser revelado" depois de ter sido emitido um veredito temporário contra a publicação de acusações de assédio sexual e abuso racial de vários funcionários contra o o seu chefe.

Foi então Peter Hain, da Câmara dos Lordes, que usou o seu "privilégio parlamentar" para revelar o nome do empresário em questão. 

"Sinto que é meu dever sob privilégio parlamentar anunciar que é Philip Green o indivíduo em questão, uma vez que os meios de comunicação têm sido objeto de uma ordem judicial que impede a publicação dos detalhes de uma história que é claramente de interesse público”, declarou Peter Hain.

Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico
Comentários

pub
Mercado
pub
Outros títulos desta secção