Internacional
 com AA em 27 de Fevereiro de 2017 às 04:00
Óscares 2017: Cerimónia marcada por críticas a Donald Trump

A cerimónia de entrega dos Óscares deste ano está a ser marcada por críticas a Donald Trump.

Logo no discurso de abertura, Jimmy Kimmel fez refeência ao atual presidente dos EUA, mas seria no discurso do realizador Asghar Farhadi, que não esteve presente, mas enviou uma carta que foi lida na entrega da estatueta dourada de Melhor Filme Estrangeiro foi para o Irão, um dos países banidos por Trump. 

"Peço desculpa por não estar aí esta noite, com vocês. A minha decisão é por respeito a todas as pessoas do meu país e dos outros seis países que foram desrespeitados pela lei não humana que baniu imigrantes de sete países dos Estados Unidos."

Kimmel lembrou ainda que este ano, e ao contrário do que aconteceu no passado, há vários negros nomeados para os Óscares.  E agradeceu a Trump isso.

"Tenho de agradecer a Donald Trump. Lembram-se de como no ano passado os Óscares pareciam racistas? Este ano, os negros salvaram a NASA e salvaram o jazz", frisou.

Depois, foi a vez do ator mexicano Gael Garcia Bernal, que apresentou os nomeados para melhor curta-metragem e melhor filme de animação, deixar uma mensagem:

"Como mexicano, como latino-americano, como trabalhador imigrante, como ser humano, sou contra qualquer forma de muro que nos queira separar."

Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico
Comentários

pub
Mercado
pub
Outros títulos desta secção