Nacional
Redação Lux em 2 de Abril de 2018 às 10:36
Bordallo II cria instalação sobre planeta Terra para ver na Praia de Carcavelos
1/3 - BORDALO II CRIA INSTALAÇÃO ARTÍSTICA EM PARCERIA COM NATIONAL GEOGRAPHIC
2/3 - BORDALO II CRIA INSTALAÇÃO ARTÍSTICA EM PARCERIA COM NATIONAL GEOGRAPHIC
3/3 - BORDALO II CRIA INSTALAÇÃO ARTÍSTICA EM PARCERIA COM NATIONAL GEOGRAPHIC

Inspirado na nova série do National Geographic, ‘One Strange Rock’, o artista Bordalo II desafia a sua própria visão sobre o planeta na criação de uma instalação construída com plásticos e lixo encontrado pelos pescadores do concelho de Cascais e noutros locais.

A obra vai estar exposta na praia de Carcavelos, de 29 de março a 2 de abril.

"O nosso planeta é raro demais para não cuidarmos dele, para deixar que se torne lixo": é este o ponto de partida de Bordalo II para a criação de uma obra inspirada em ‘One Strange Rock’

Com cerca de 4 m de largura, 8 m de comprimento e 2,5 m de altura e utilizando cerca de 300 kg de desperdícios recolhidos em 3 dias, a obra vai estar exposta com o objetivo de alertar para a importância de proteger os nossos oceanos e este que é o único planeta conhecido com vida.

Para Bordalo II, “esta peça, reforça e enfatiza esta dedicatória única que o National Geographic fez ao nosso Planeta com ‘One Strange Rock’. Observamo-la como uma rocha estranha, tão estranha que parece não fazer parte desta ‘rocha’ onde nós vivemos. Assume-se como um pedaço (de lixo) que estava a mais no oceano e por isso a Natureza ‘cospe-a’ para a areia.” Sobre o objetivo da obra exposta na praia de Carcavelos, “pretendo sensibilizar para o cuidado e atenção ao nosso planeta, que não tem estado em boas mãos nas últimas décadas, porque mudar este cenário depende de cada um de nós. Para que um dia não seja preciso ter de ver o "One Strange Rock" para relembrar tudo aquilo que já destruímos”, explica.

 
A nova série documental ‘One Strange Rock’ debruça-se sobre a história do planeta Terra, contada pelas únicas pessoas que já estiveram fora dele: os astronautas.

‘One Strange Rock’ levou mais de dois anos a ser produzido em 195 localizações e foram recolhidas imagens suficientes para uma maratona de filmes com a duração de 22 anos. Os produtores tiveram acesso a zonas onde foram proibidas câmaras durante anos, no templo Wat Phra Dhammakaya na Tailândia, filmaram em alta velocidade na Estação Espacial Internacional a mais de 28 mil km/h, exploraram uma localização secreta no Novo México a 489 km debaixo do solo, captaram imagens de cianobactérias até às gigantes baleias azuis, e percorreram locais extremos desde os mais gelados, como Kangiqsujuaq no Canadá, aos mais quentes, como a Depressão de Danakil na Etiópia, para nos trazer uma série documental única sobre a vida no nosso planeta.

Composta por 10 episódios, ‘One Strange Rock’ revela que não existe lugar como a nossa casa numa emocionante jornada que explora a fragilidade e maravilhas do planeta Terra, um dos mais peculiares e singulares lugares do universo. Esta é a história extraordinária da existência da vida em vários pontos do planeta, diferentes latitudes, climas e habitats.

 

Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico
Comentários

pub
Mercado
pub
Outros títulos desta secção