Nacional
Redação Lux em 2 de Maio de 2018 às 09:05
José Carlos Malato chora a morte do pai: 'Boa viagem, querido'
1/4 - José Carlos Malato acompanha o pai na luta contra o cancro Foto: DR
2/4 - José Carlos Malato com os pais, António e Margarida
3/4 - José Carlos Malato: "Continua a lenta e inútil agonia. Até quando?"
4/4 - José Carlos Malato acompanha o pai nos tratamentos de quimioterapia

O pai de José Carlos Malato, António Malato, morreu esta terça-feira, dia 1 de maio. Tinha 74 anos e lutava há meses contra um cancro. 

"Hoje, morreu-me o meu pai. Boa viagem, querido. Obrigado a tod@s os que continuam a pensar em nós.", partilhou o apresentador. 

José Carlos Malato partilhou ao longo das últimas semanas a angústia pela dura batalha do pai, contra o cancro.  

"Continua a lenta e inútil agonia. Até quando?”, escreveu no dia 19 de abril quando publicou uma fotografia onde surge a acarinhar o progenitor, deitado na cama, uma imagem que retrata o momento vivido entre pai e filho.

Foram dias muito difíceis para o comunicador da RTP, que "desabafou"com quem o segue os seus pensamentos numa fase tão delicada. Numa dessas reflexões, José Carlos Malato referiu que o pai estava agora “num hospital civil”, depois de já ter estado em casa:

“O meu pai libertou-se, finalmente, do jugo pseudomisericordioso dos beatos (im)piedosos do Champalimaud de Calcutá. Está a acabar os seus dias num hospital civil. É um homem. Sem pretensões a mártir. A medicina não pode ser escrava de nenhuma fé!”, escreveu. 

 

 

Faz hoje uma semana que o pai, em boa hora, saiu de casa e foi internado. Fugiu dos paliativos de Calcutá que ninguém urbano, decente, crente ou não crente, pode querer: à fome e à sede. Se a hidratação e os antibióticos contra a infecção pulmonar lhe prolongaram inutilmente a vida, pouco importa. Morrerá da doença, quando tiver de ser, mas não às nossas mãos. Permaneceremos sempre inocentes. Como as suas anedotas. Outra coisa não esperarava ele de nós. Quanto à situação clínica - apesar do estado comatoso - percebe-se que está a ficar cada vez mais cansado desta palhaçada de doença. Nós é que não nos cansamos de estar ao seu lado. Um abraço para tod@s que pensam em nós! #cuidadores #cuidadospaliativos #josecarlosmalato

Uma publicação partilhada por josecarlosmalato (@josecarlosmalato) a

 

Este é o meu ‘ponto de vista’ há 8 dias, 8 horas por dia. Presto homenagem a todos os que cuidam da dor dos outros e, como é o caso da minha família, da nossa própria. Que lindos são os ‘cuida-dores’: pais, filh@s, maridos, mulheres, profissionais, amig@s e conhecid@s. Dias, semanas, anos. Na incerteza da noite desse dia, na esperança do dia de amanhã. Sempre à espera de melhoras, sempre à espera de notícias. Boas e más. Boas ou más. Os cuidadores dormem pouco e dormem mal. Porque a dormir ninguém pode cuidar de ninguém. É preciso acordar para esta realidade. É urgente encará-la e discuti-la. Um dia, vai chegar a nossa vez! #cuidadospaliativos #cuidadores #portugal #josecarlosmalato

Uma publicação partilhada por josecarlosmalato (@josecarlosmalato) a

Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico
Comentários

pub
Mercado
pub
Outros títulos desta secção