Nacional
Lisboa celebra a música e o legado de David Bowie
Festival de Glastonbury 2000 - David Bowie - álbum de fotos (Reuters)
Redação Lux  com Lusa em 8 de Janeiro de 2017 às 12:40

Cinema, concertos, debates, exposições, reedições discográficas têm servido para assinalar, ao longo do último ano, o legado cultural do músico britânico David Bowie, que morreu em janeiro de 2016.

Com uma carreira que abriu caminhos no glam rock, no rock alternativo, na música eletrónica, na moda e nas artes visuais, David Bowie teve várias vidas, de Ziggy Stardust a Thin White Duke, mas morreu a 10 de janeiro de 2016, dois dias depois de ter completado 69 anos e de ter editado o disco "Blackstar".

Na altura, o produtor Tony Visconti afirmou que a morte do músico não foi diferente da vida, "foi uma obra de arte", e só nessa altura se percebeu que "Blackstar" era como uma carta de despedida. O álbum acabou por figurar no topo de várias listas internacionais como um dos melhores do ano.

Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico
Comentários

pub
Mercado
pub
Outros títulos desta secção