Nacional
Procuradora dá como provadas as agressões de Bárbara Guimarães
Bárbara Guimarães - Tribunal 31.10.17 Foto: Tiago Frazão/Lux
Redação Lux em 28 de Novembro de 2017 às 12:28

Está a chegar ao fim o julgamento de Bárbara Guimarães contra o ex-marido, acusado de violência doméstica durante a fase final do casamento.

No dia em que começaram as alegações finais, o Ministério Público deu como provada a grande maioria dos crimes de que o ex-ministro era acusado e pede três anos e quatro meses de pena suspensa. Por existir o perigo de continuação da atividade criminosa, a procuradora Nadine Xarope pediu ainda ao tribunal a aplicação de uma pena acessória de proibição de contacto com Bárbara Guimarães por igual período.

Descontente com a pena, o advogado da apresentadora, Pedro Reis, deposita fé no cúmulo jurídico, relacionado com a condenação de Carrilho num outro processo recentemente terminado, e que pode vir a dar pena efetiva ao ex-ministro, caso seja superior a cinco anos.

Ao longo de mais de três horas, a procuradora referiu por diversas vezes a suposta “superioridade intelectual” de Carrilho em relação à ex-mulher “e a todos”, e chega mesmo a apontar como rastilho para os atos de violência, o pedido de divórcio feito por Bárbara Guimarães. “Como seria ela capaz de se divorciar de um intelectual da Sorbonne?” Implacável, a procuradora referiu “a frieza de espírito” de Carrilho, a sua “sede de vingança e de destruição, colocando de lado o bem-estar dos filhos”.

Acerca dos menores, Carlota e Dinis, filhos do ex-casal, relembrou que Manuel Maria Carrilho não dispensou o testemunho do filho e manteve o único objetivo de “destruir a assistente mesmo que os filhos sejam armas de arremesso”, ignorando “o impacto negativo” que todo este processo teria nas duas crianças. Já em relação a Bárbara Guimarães, que, como a maioria das vítimas mostrou “incapacidade e vergonha em assumir” o que estava a suceder, sempre demonstrou “genuína preocupação pelos filhos” e “nunca padeceu de um problema de álcool”, como Carrilho tentou fazer crer ao longo dos últimos anos. 

Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico
Comentários

pub
Mercado
pub
Outros títulos desta secção