Nacional
Redação Lux  com Elsa Alves em 7 de Novembro de 2010 às 19:02
Salvador Taborda apresenta novo álbum rodeado de familiares, fãs e amigos
O auditório da Senhora da Boa Nova no Estoril foi o local escolhido para a apresentação do quinto álbum, «O Que Tinha de Ser», do fadista e galerista Salvador Taborda. Entre o público, o artista contou com inúmeras caras conhecidas, familiares e amigos que vieram de propósito apoiá-lo.

«Gostamos sempre de ser apoiados», sublinha.

A sua mãe, Helena Asseca, não podia estar mais orgulhosa do filho e do espetáculo que este deu: «Sou uma mãe o mais atenta possível e a fã número um», partilhou com a Lux, entusiasmada.

Apesar de a sua grande especialidade além da arte, ser o fado, este é um CD completamente diferente dos restantes do seu repertório, pois não tem uma única música de fado: «São coisas que toda a gente conhece.»

Uma ideia que há muito tinha surgido, mas só agora teve oportunidade de colocar em prática: «Já tinha tido esta ideia há bastante tempo, mas quando lancei o outro disco de fado, a minha editora sugeriu isto.» E admite: «O grande problema deste disco foi fazer uma coisa homogénea, porque havia muitos temas. Acho que ficou bom, apesar de ser em várias línguas.»

Esta é uma opinião também partilhada pelo amigo de longa data Marcelo Rebelo de Sousa, que juntamente com a namorada, Rita Amaral Cabral, fez questão de marcar presença.

«Ele tem uma voz com uma versatilidade única. Canta em inglês, francês, italiano, em português de autores brasileiros, canta fado e neste CD não há fado. Tem uma voz lindíssima e os duetos em palco, quer com a Maria João Quadros, quer com a Lara Li foram excecionais. Ele merece o público que teve e o acolhimento que o público em geral vai dar ao CD.»

Para a cantora Lara Li, esta foi uma experiência bastante positiva: «Foi bom! É sempre bom. O público é muitíssimo agradável e sempre simpático. Vim com imenso gosto.»

Longe dos holofotes há mais de uma década, a cantora voltou a presentear os seus fãs com a sua voz, desde que lançou no verão, juntamente com Miguel Braga, o disco «Levemente».

«Precisei de um tempo para mim, de estar sossegada, afastada. Depois o tempo passou tão depressa, que foram logo assim 15 anos», conta.

Antes do dueto com Salvador Taborda, Lara Li entrou a solo e sem qualquer instrumento, usando apenas a voz, ao mesmo tempo que dava leves pancadas no microfone, o que deixou o auditório ao rubro: «É uma brincadeira que levo um bocado a sério, esta coisa do «Barco Negro» só com os batimentos do microfone», explica.

Para Salvador, o balanço de toda a apresentação foi muito positivo, o que também se manifestou na quantidade de CDs autografados que distribuiu no final.

«Acho que correu muito bem e fiz uma coisa que nunca tinha feito. Foi um desafio. E nunca tinha cantado estas coisas num auditório como este. Acho que correu lindamente», assegura.
Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico
Comentários

pub
Mercado
pub
Outros títulos desta secção