Nacional
Elogios de Maria Vieira a Trump lançam polémica
Maria Vieira Foto: facebook
Redação Lux em 23 de Janeiro de 2017 às 11:09

A atriz Maria Vieira escreveu um longo post em louvor ao novo presidente dos EUA, Donald Trump, após a sua tomada de posse.

Acabei de assistir à tomada de posse do novo presidente dos EUA. Hoje foi porventura a única vez que, durante cerca de 20 minutos, o mundo inteiro pôde ouvir as palavras, os desejos e as promessas de Trump sem que ele fosse interrompido, censurado, insultado ou ridicularizado por todos aqueles que ficaram profundamente tristes, desapontados e até, pasme-se, enraivecidos com o resultado das eleições livres e democráticas que o levaram ao poder, nomeadamente os meios de comunicação afectos às elites económicas, sociais e políticas que pretendem fazer do mundo o seu parque de diversões privado.

Não sei se Trump irá concretizar tudo aquilo que deseja e que prometeu fazer ao longo da sua campanha e durante o seu discurso de hoje, seguramente e á semelhança de todos os seus antecessores também irá falhar, mas eu e muitos milhões de outros/as na América e no resto do planeta, desejamos-lhe coragem, determinação e sucesso na sua gigantesca empreitada, torcemos para que ele possa tornar o mundo mais democrático, mais próspero, mais justo, mais pacífico, mais seguro e, consequentemente, mais forte e mais feliz, sendo que até aqui e sob as administrações americanas anteriores, nomeadamente durante a administração Obama, a fome, a injustiça, a guerra, a miséria, a desigualdade e a pobreza nunca pararam de aumentar, apesar de todos os declarados elogios, de todos os apoios prestados e de todo o«endeusamento» atribuído durante longos 8 anos ao agora ex-presidente dos EUA.

Nada temos a recear da democracia, apesar de algumas das suas naturais imperfeições e como tal, se Donald Trump, nos próximos quatro anos, provar ter sido um mau presidente, o homem errado que o povo americano escolheu para o lugar certo, então no final desses quatro anos, outras eleições acontecerão e outro homem ou mulher serão escolhidos para ocupar esse lugar, tal como acontece em todas as democracias e como de resto, em nome do bem estar de todas as sociedades civilizadas, deverá continuar a acontecer. 

E se porventura (e improvavelmente, assim o espero) Donald Trump se revelar um presidente nocivo, desonesto ou perverso, será mais uma vez a democracia que o afastará do poder através do "Impeachement" que a lei americana prevê e que de resto, como toda a gente sabe, sucedeu recentemente no Brasil com a destituição da presidente Dilma Rousseff. É por isto, confesso, que não consigo entender toda esta histeria e toda esta revolta de gente supostamente progressista, tolerante, liberal e democrata contra um homem que foi democraticamente eleito pelo povo americano, um homem que ao contrário de muitos ditadores e ex-ditadores idolatrados por esses mesmos progressistas foi eleito e não se elegeu a si próprio... Vá lá, sejamos positivos, tenhamos esperança e desejemos, todos juntos, que o mundo se torne num lugar melhor antes de gritarmos cheios de raiva contra alguém que acabou agora mesmo de pegar ao serviço...

Ah, é só para terminar, em jeito de galhofa, porque senão, o meu discurso fica mais longo que o do próprio Trump: olhem que para quem não tinha ninguêm disposto a vesti-la, a Primeira-Dama - Melania Trump - até que foi muito bem vestinha! Eu até acrescentaria mais e diria que ela esteve absolutamente deslumbrante, num vestido simples, discreto e extraordinariamente elegante que terá deixado pelo menos meio-mundo de boca aberta! Mas também, àquela mulher, linda de viver, qualquer trapinho fica bem!

 

Nos comentários, juntaram-se opiniões conviventes e outras mais críticas mas foi um post de Ana Bola que acabou por gerar mais discórdia.

"Garanto-vos que ninguém muda tanto e tão mal. Tenho ainda esperança que acorde. Resta-me lamentar que a pessoa boa, justa, inocente e simpática, talentosa e feliz que conheci se tenha transformado numa criatura execrável. Que pena, Parrachita!", escreveu Ana Bola nas redes sociais.

Lançada a "guerra", Ana Bola acabaria por apagar a sua mensagem das redes sociais.


 

Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico
Comentários

pub
Mercado
pub
Outros títulos desta secção