Nacional
Petição contra o peso excessivo das mochilas escolares
Petição contra o peso excessivo das mochilas escolares
Redação Lux em 7 de Fevereiro de 2017 às 13:58

Foi lançada uma petição: "Contra o peso excessivo das mochilas escolares" que pretende atingir as 20 mil assinaturas para obrigar o Parlamento a legislar, "com caráter de urgência, de modo a resolver este grave problema de saúde pública".

É uma realidade que preocupa pais de todo o mundo. Mas também educadores, especialistas e médicos de várias especialidades. Segundo um estudo realizado pela DECO e a revista Proteste, mais de metade das crianças dos 5º e 6ºs anos de escolaridade transporta peso a mais nas suas mochilas escolares.

 

É consensual entre os especialistas de todo o mundo que as mochilas escolares não devem ultrapassar 10% do peso de quem as transporta. E porquê? Porque as crianças que transportam regularmente peso excessivo às costas são as que têm mais probabilidade de desenvolver deformações ao nível dos ossos e dos músculos. Quanto mais pesada for a mochila, maior probabilidade de problemas de saúde terá. 
 

As crianças são os profissionais de amanhã. As crianças que transportam hoje mochilas muito pesadas começam cedo a ter problemas de coluna, sendo alguns dos mais conhecidos, a hiperlordose lombar, a hipercifose torácica, a escoliose, as hérnias discais, entre outras ocorrências. 

 

Os signatários desta Petição Pública solicitam:

1 - Uma legislação, com carácter definitivo, que veicule que o peso das mochilas escolares não deve ultrapassar os 10% do peso corporal das crianças, tal como sugerido por associações europeias e americanas. 


2 - A obrigatoriedade de as escolas pesarem as mochilas das crianças semanalmente, de forma a avaliarem se os pais estão conscientes desta problemática e se fazem a sua parte no sentido de minimizar o peso que os filhos carregam. Para tal, cada sala de aula deverá contemplar uma balança digital, algo que já é comum em muitas escolas, devendo ser vistoriada anualmente. 

3 - Que as escolas públicas e privadas de todo o país disponibilizem cacifos para que todos os alunos consigam deixar alguns livros e cadernos, de modo que possam deslocar-se entre as suas casas e a escola com menos peso. 

4 - Podendo existir a opção de os alunos utilizarem o suporte digital, segundo o critério de cada escola, exigir às editoras responsáveis pela produção de manuais escolares o seguinte: 

4.1 – Que criem livros/manuais escolares com papel mais fino, de gramagem menor, ou divididos em fascículos retiráveis segundo os três períodos do ano; 

4.2 - Que os conteúdos dos livros/manuais escolares sejam o mais concisos e sintéticos possível, de modo a diminuir o volume e o peso dos mesmos. 

Primeiros signatários: 
José Wallenstein, actor e encenador 
Cláudia Pinto, jornalista 
Dr. Joaquim Sancho, médico fisiatra 
Dr. Paulo Sampaio Rodrigues, médico fisiatra 
Confederação Nacional das Associações de Pais 
Sociedade Portuguesa de Medicina Física e de Reabilitação 
Sociedade Portuguesa de Neuropediatria 
Sociedade Portuguesa de Ortopedia e Traumatologia 
Sociedade Portuguesa de Patologia da Coluna Vertebral 

Para assinar esta petição clique aqui!

Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico
Comentários

pub
Mercado
pub
Outros títulos desta secção