Internacional
Morreu João Gilberto, o pai da bossanova
O mundo chora a morte de João Gilberto
Redação Lux em 8 de Julho de 2019 às 10:02

João Gilberto, o pai da bossa nova, morreu neste sábado, dia 6 de julho, no Rio de Janeiro, aos 88 anos.

A causa da morte não foi divulgada, mas a edição online da Época avança que podia ter acontecido durante exames médicos, que teriam corrido mal.

João Gilberto Prado Pereira de Oliveira, nascido em Juazeiro, no estado brasileiro da Bahia, no dia 10 de Junho de 1931, é considerado o fundador legítimo da bossa nova e um génio musical.

Entre os seus álbuns destaque para Chega de Saudade (1959), O Amor, o Sorriso e a Flor (1960) e João Gilberto (1961).

Por todo o mundo, sucedem-se reações à morte de João Gilberto e tributos ao músico.

Caetano Veloso lamentou a morte do compositor classificando João Gilberto como um dos maiores músicos brasileiros de sempre.

“Acabo de saber que João Gilberto morreu. É um acontecimento de imensa importância para mim. Porque, tudo somado, João Gilberto é, no meu ponto de vista, o maior artista de todos. No momento exacto, preciso da minha vida, ele apareceu dando sentido mais profundo à percepção das artes em qualquer estágio. Nem sei o que dizer pelo facto de que ele deixou de existir como pessoa física”, afirmou Caetano Veloso num vídeo enviado ao canal de televisão GloboNews.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

João Gilberto foi o maior artista com que minha alma entrou em contato. Antes de completar 18 anos, aprendi com ele tudo sobre o que eu já conhecia e como conhecer tudo o que estivesse por surgir. Com sua voz e seu violão, ele refez a função da fala e a história do instrumento. Pôs em perspectiva todos os livros que eu já tinha lido, todos os poemas, todos os quadros, todos os filmes que eu já tinha visto. Não apenas todas as canções que ouvi. E foi com essa lente, esse filtro, esse sistema sonoro que eu passei a ler, ver e ouvir. Aos 88 anos, com aspecto de quem não viveria mais muito tempo, João morrer é acontecimento assustador. Orlando Silva, Ciro Monteiro, Jackson do Pandeiro, Ary, Caymmi, Wilson Batista e Geraldo Pereira não teriam sido o que são não fosse por João Gilberto. Tampouco Lyra, Menescal e Tom Jobim. Ou os que vieram depois. E os que virão. O Hino Nacional não seria o mesmo. O mundo não existiria. Sobretudo não existiria para o Brasil. Que era uma região ensimesmada e descrente da vida real fora de suas fronteiras. João furou a casca. O samba não seria samba sem Beth Carvalho cantando "Chega de Saudade". A música não seria música sem a teimosia de João. Ele foi uma iluminação mística. Nenhum aspecto do mundo que ele sempre tocou tão rente pode ameaçar a grandeza da verdade de sua arte. E isso era sua pessoa. É sua pessoa, em todos os sons gravados em matéria ou na minha memória. 🖤🌹 . 📸 1. Em SP, na inauguração do Credicard Hall em 1999. 2. Caetano e João - Buenos Aires, em 1999 3. Caetano, João e Gal | No estúdio da Tupi, em 71 4. Turnê na Europa, com @zecalveloso e Luana Costa (@lulu__costam) 5. Em 1990, durante o Festival Internacional de Jazz na França . #CaetanoVeloso #JoãoGilberto #RIPJoaoGilberto #ChegaDeSaudade

Uma publicação partilhada por Caetano Veloso (@caetanoveloso) a

 

Gilberto Gil partilhou um vídeo no Instagram e registou com pesar: “Para João, a música, a poesia e o amor”.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Para João, a música, a poesia e o amor. 💙 #EquipeGil

Uma publicação partilhada por Gilberto Gil (@gilbertogil) a

Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico
Comentários

pub
pub
Outros títulos desta secção