Internacional
Após suspeita de Covid-19, Camila Pitanga e a filha descobrem que estão com malária
Camila Pitanga e a filha, Antónia
Redação Lux em 12 de Agosto de 2020 às 14:20

Após sintomas de febre alta e calafrios, Camila Pitanga e a filha, Antónia, de 12 anos, submeteram-se ao teste da Covid-19. O resultado do teste foi negativo mas foi-lhes diagnosticada malária

“Foram 10 dias de muito sufoco. Entre picos de febre alta, calafrios e total incerteza. Havia a sombra da possibilidade de estar com covid-19. Somente no domingo recebi o resultado negativo do meu PCR. Mas no lugar de me aliviar, permanecia a agonia pois eu não fazia ideia do que eu poderia ter. Estava à deriva. Pois bem, uma amiga minha suspeitou que esses picos de febre associados ao fato de estar em isolamento social numa zona de Mata Atlântica no litoral de São Paulo, podia ser malária. Fui indicada a conversar com dois infeciologistas”, explicou, através de uma publicação nas redes sociais.

"Os resultados dos exames saíram dando positivo para malária. Eu e minha filha. Uma doença que ainda existe, é curável, mas precisa de cuidados. O tratamento é gratuito", adiantou a atriz, que assumiu no ano passado o namoro com a artesã Beatriz Coelho.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Foram 10 dias de muito sufoco. Entre picos de febre alta, calafrios e total incerteza. Havia a sombra da possibilidade de estar com covid-19. Somente no domingo recebi o resultado negativo do meu PCR. Mas no lugar de me aliviar, permanecia a agonia pois eu não fazia ideia do que eu poderia ter. Estava à deriva. Pois bem, uma amiga minha suspeitou que esses picos de febre associados ao fato de estar em isolamento social numa zona de Mata Atlântica no litoral de SP, podia ser malária. Fui indicada a conversar com dois infectologistas. Os dois extremamente generosos em falar comigo num domingo já de noite. Dr Luiz Fernando Aranha e o Dr André Machado. Agradeço ao último pelas orientações que me levaram ao Hospital das Clínicas da USP. Uma vez que a supeita era malária, doença muito rara, não há melhor lugar para você ser tratado do que a rede SUS, local de referência e excelência para doenças endêmicas. No HC, fui prontamente atendida por uma mulherada. Sim, uma equipe 100% de mulheres fantásticas do laboratório da Sucen. Faço questão de dar seus nomes: Drª Ana Marli Sartori, Drª Silvia Maria di Santi, Drª Dida costa, Drª Simone Gregorio, Drª Renata oliveira e tão importantes quanto, as agentes de saúde Cida Kikuchi e Gildete Santos. Todas foram extremamente profissionais, eficientes e gentis. Bom, os resultados dos exames sairam dando positivo para malária. Eu e minha filha. Uma doença que ainda existe, é curável, mas precisa de cuidados. O tratamento é gratuito. Faço cá meus votos de gratidão a todas e todos agentes de saúde, que além de estarem na trincheira nessa luta contra a covid-19, estão aí atendendo inúmeras outras demandas com seu profissionalismo em meio a condições e incertezas muito grandes. É de suma importância valorizar a existência desse sistema de saúde que cuida de tanta gente, principalmente dos que não tem condições de pagar um plano de saúde. Estamos num país onde uma doença matou mais de 100 mil pessoas em poucos meses. Esse número poderia ser o triplo ou mais se não fosse o SUS. A catástrofe seria ainda maior. Muito obrigada e parabéns a todas e todos os profissionais de saúde desse país!!!

Uma publicação partilhada por Camila Pitanga (@caiapitanga) a

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Existe uma rede de afetos que a gente tece ao longo da vida. Pessoas q estão generosamente conectadas e que a cada adversidade ou conquistas se manifestam com amor. Estava cá olhando pra esse bordado que ganhei de uma fã (me perdoa não te dar nome agora...). Tenho essa mesma foto com minha filha. Ver esse quadro me trouxe um acolhimento tão grande... Me deu vontade de dividir aqui a história que enlaça esse presente. Um dia eu estava andando de carro por SP e vi fotografias de nuvens espalhadas em uma praça. Fiquei tão impactada com as imagens que parei o carro e desci pra tirar uma foto, mas a selfie não estava ficando boa. Pedi pro senhor que cuida da limpeza da praça tirar pra mim e ficou do meu gosto, representando eu dentro do céu, dentro de todas as possibilidades q a vida poderia me trazer, o porvir. Escolhi como meu avatar aqui no insta. Um tempo depois, descubro que o trabalho é de autoria do Edu Coimbra, pai-amigo muito querido da antiga escola da minha filha, casado com Amália, que se tornou uma amiga muito querida também. Sua filha Maria, era das amigas mais chegadas da minha... E tornei a repetir a foto, agora com a Antonia, que depois se transformou nesse presente de uma fã (me ajudem a localiza-la!). Estou olhando pra esse bordado... Essa imagem me remete a tal rede de afetos. Às vezes essa rede fica um pouco frouxa pela distância, mas os laços permanecem. Saudade imensa das minhas comadres, da Xepa e nossa... do meu pai, da minha mãe, minha família... Essa trama de amor pode ser tecida mesmo por quem a gente não conhece, mas que tá aqui, nas redes, em geral manifestando seus votos de saúde pra mim e pra minha filha. Nós duas que estamos nos cuidando juntas, sendo cuidadas juntas e agradecidas por tanto carinho que estamos recebendo. Estamos bem e logo logo vamos melhorar ainda mais, sendo medicadas corretamente com o tratamento recomendado cientificamente para a nossa doença. Quero aproveitar essa rede de amor pra agradecer especialmente a minha médica Sheila Pessoa Grande e a pediatra da Antonia, Rosane Girão. Vocês, como sempre, tão incríveis e cuidadosas. Obrigada, meu muito obrigada!!!

Uma publicação partilhada por Camila Pitanga (@caiapitanga) a

Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico
Comentários

pub
pub
Outros títulos desta secção