PUB
PUB
Internacional
Kanye West perde parceria com a Adidas após comentários antissemitas
Kanye West lança vídeo da sua campanha para a presidência dos EUA
Redação Lux em 28 de Outubro de 2022 às 12:00

O rapper Kanye West, que mudou o nome para Ye, sofre as consequências das suas recentes declarações antissemitas. Após a Creative Artists Agency ter anunciado que não representará mais o artista e o estúdio MRC ter decidido pararr com a distribuição de um documentário sobre West, a marca Adidas encerrou a sua a sua parceria com o rapper pondo fim a uma relação que começou há sete anos com o lançamento da linha Adidas Yeezy.

“A Adidas não tolera antissemitismo e qualquer outro tipo de discurso de ódio. Os comentários e ações recentes de Ye foram inaceitáveis, odiosos e perigosos, e violam os valores da empresa de diversidade e inclusão, respeito mútuo e justiça”, informou a empresa através de comunicado.

O cantor fez comentários controversos sobre o movimento Black Lives Matter e na sequência publicou uma sequência de prints de uma conversa Diddy onde afirmava que o colega  era "controlado por judeus". Após a publicação ter sido bloqueada no Instagram,  West questionou no Twitter a atitude de Mark Zuckerberg, dono do grupo Meta e em seguida, escreveu "death con 3 com o povo judeu”.

 "Death con 3"  refere-se ao termo militar "defcon" que mede cinco níveis de intensidade de uma ameaça à segurança nacional, sendo 5 o mais baixo e 1 o mais alto.

O tweet sugere que algum tipo de ameaça ao povo judeu e foi também bloqueado no Twitter.

Kim Kardashian, ex-mulher de Kanye West, reagiu nas redes sociais: “Discurso de ódio nunca é ok ou perdoável. Eu estou com a comunidade judaica e peço que a terrível violência e retórica de ódio contra eles tenha seu fim imediato”.

Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico
Comentários

PUB
pub
PUB
Outros títulos desta secção