Moda e Beleza
Marca de joias portuguesa detém distinção mundial de ética e sustentabilidade
Foto: Wonther
Redação Lux em 10 de Julho de 2020 às 15:15

A Wonther, marca de joalharia portuguesa, foi certificada pelo Responsible Jewellery Council, principal autoridade do setor global de joias e relógios, com o selo de certificação de ética e sustentabilidade.

Apesar de ser uma marca muito recente no mercado, já nasceu "com o foco na sustentabilidade ambiental e em princípios éticos, como o respeito pelos direitos humanos e dos trabalhadores, e boas práticas de aquisição de matérias-primas".

A estes critérios na produção das peças da marca, feitas à mão em Portugal, a Wonther evidencia que não utiliza qualquer material precioso que foi adquirido por violações de direitos humanos, como trabalho infantil ou escravidão. a extração e o processamento destruíram a superfície da Terra. serve para apoiar atividades criminosas ou terroristas, como lavagem de dinheiro ou fuga de impostos ou seja prejudicial ao meio ambiente.

“Queremos estar na vanguarda da sustentabilidade e das boas práticas em Portugal. Juntamo-nos, assim, a marcas mundialmente conhecidas e trabalhamos diariamente para mudar o setor. Além das consequências da mineração – a segunda indústria mais poluente do mundo – as marcas de joalheria não podem continuar a compactuar com a violação de direitos humanos”, refere Olga Kassian, fundadora da Wonther.

Estima-se que um milhão de crianças trabalhe na mineração artesanal e em pequena escala, violando a lei internacional dos direitos humanos. Além disso, mineração é contribui para danos ambientais severos. Por exemplo, as minas de ouro em pequena escala emitem anualmente cerca de 1.400 toneladas de mercúrio, um metal tóxico usado no processamento de ouro.

“Daí ser tão importante este selo de certificação, já que o Responsible Jewellery Council, ao trabalhar com parceiros de todo o mundo, criar uma cadeia de negócio sustentável. E como sabemos que há sempre espaço para melhorias, vamos reduzir o nosso impacto ambiental em 50% nos próximos dois anos”, acrescenta a fundadora.

A marca portuguesa junta-se assim a nomes bem conhecidos no setor, como a Tiffany & Co., Cartier e Bvlgari.

 

 

 

 

 

 

 

 

Estima-se que um milhão de crianças trabalhe na mineração artesanal e em pequena escala, violando a lei internacional dos direitos humanos. Além disso, mineração é contribui para danos ambientais severos. Por exemplo, as minas de ouro em pequena escala emitem anualmente cerca de 1.400 toneladas de mercúrio, um metal tóxico usado no processamento de ouro.

 

“Daí ser tão importante este selo de certificação, já que o Responsible Jewellery Council, ao trabalhar com parceiros de todo o mundo, criar uma cadeia de negócio sustentável. E como sabemos que há sempre espaço para melhorias, vamos reduzir o nosso impacto ambiental em 50% nos próximos dois anos”, conclui a fundadora.

 

 

 

 

 

 

 

 

Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico
Comentários

pub
pub
Outros títulos desta secção