PUB
PUB
Nacional
Dona de uma identidade muito própria, Cláudia Pascoal valoriza o privilégio de fazer a música que lhe é verdadeira e divertida
Cláudia Pascoal Foto: Artur Lourenço/Lux
Redação Lux em 5 de Janeiro de 2024 às 18:23

Aos 30 anos, a artista tem dois álbuns e participou duas vezes no Festival da Canção. O ano que agora terminou 
foi decisivo para perceber todos os desafios que envolvem a carreira que escolheu e que pode vingar neste meio

O ano que passou trouxe a Cláudia Pascoal a certeza e a confiança necessárias para perceber que a música é a sua casa. Uma música que vai buscar a essência das suas raízes e de quem é: verdadeira e divertida.

Com uma imagem que não deixa ninguém indiferente, a artista assume que gosta da mudança e da criatividade, que são muitas vezes sinónimo de cores intensas. A mesma cor intensa que usa para embrulhar a herança e a força tradicional das suas memórias transformadas nas canções que cria e que não são mais do que o seu reflexo: “Umas são para ser escutadas, umas são gritos de raiva ou amor e outras são só mesmo parvas (as minhas favoritas são estas).”
 

Entrevista exclusiva na Lux, já nas bancas!

Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico
Comentários

PUB
pub
PUB
Outros títulos desta secção