Nacional
Redação Lux em 10 de Julho de 2020 às 18:00
Ruben Rua passou 58 dias sozinho, longe da família, no Porto, e da namorada, no Canadá

A pandemia deu as voltas à vida de Ruben Rua, que passou 58 dias em completo autoisolamento, na sua casa, em Lisboa, longe da família, no Porto, e da namorada, Amanda Amorim, que mora no Canadá. Apesar de todos os desafios e contratempos, o modelo e apresentador, de 33 anos, manteve-se calmo e positivo.

Protagonista da nova campanha de swimwear e daywear Intimissi Uomo, Ruben Rua faz à Lux um balanço destes meses e mostra-se confiante nos próximos projetos profissionais, após o fim do contrato com a TVI. “Quero continuar a trilhar o meu caminho e chegar o mais longe que conseguir”, assegura o comunicador.

Lux – Como passou a sua fase de quarentena? Onde? Com quem?
Ruben Rua – Estive sozinho durante 58 dias em minha casa, em Lisboa.

Lux – Que balanço faz desse período?
R.R. – Naturalmente que, dada a complexidade da situação e até os contornos trágicos que trouxe a vários níveis, não foi um período feliz. Ainda assim, mesmo nos tempos mais difíceis, existem oportunidades, na liberdade encontramos o caminho e de alguma forma podemos sempre abraçar, mesmo uma situação tão inesperada como esta, com positividade. Mantive-me bem, calmo e acima de tudo ativo e ocupado. Acho que esta aceitação e vontade em fazer me ajudou a viver esses 58 dias em total isolamento.

Lux – Alguém da sua família ou do seu círculo mais próximo foi infetado?
R.R. – Tive um amigo que contraiu o vírus, mas felizmente já está totalmente recuperado.

Lux – Do que sentiu mais falta?
R.R. – Das pessoas que amo.

Lux – A sua namorada está no Canadá. A Amanda era para vir a Portugal neste período e ficou impossibilitada? Ou o contrário?
R.R. – Sim, éramos para ter estado juntos, mas infelizmente, de um dia para o outro, tudo se alterou.

Lux – O facto de, de repente, se verem proibidos de viajar e confinados, cada um no seu país, fez-vos refletir sobre a necessidade de ficarem mais perto?
R.R. – O tempo torna-nos mais tolerantes e mais pacientes, mas não torna as coisas mais fáceis. A seu tempo tudo irá ocupar o seu lugar.

Lux – Quando vão voltar a estar juntos?
R.R. – Em princípio este mês.

Lux – Iniciado o desconfinamento, quais foram as primeiras liberdades a que se permitiu?
R.R. – Fui ao Porto ver a minha família.

Lux – O que mudou no regresso à rotina?
R.R. – Máscaras e desinfetantes são hoje parte do nosso look e os nossos mais indispensáveis acessórios. Não há como contornar essa questão. Há muitas coisas que hoje não podem acontecer, ou pelo menos nos moldes que as conhecíamos. Um evento, um programa televisivo com um aglomerado de pessoas... é uma nova dinâmica que estamos todos ainda a tentar descobrir. Nunca a criatividade e o espírito de entreajuda foram tão importantes.

Lux – Adaptou-se bem a andar de máscara, a cumprir as novas regras sociais?
R.R. – Adaptei-me bem à máscara, mas confesso que tenho de me controlar quando vejo alguém que já não encontrava há muito tempo. Um beijo e um abraço são instintos muito naturais.

Lux – Terminou o contrato que tinha com a TVI. Quais são os seus projetos agora?
R.R. – Continuar a fazer tudo o que já fazia e aguardar por uma nova oportunidade a curto prazo. Paralelamente, desenvolver projetos que poderão ser uma realidade no futuro.

Lux – Existem rumores de que poderão haver projetos na SIC. Há conversações?
R.R. – Não sei de nada.

Lux – Esta sessão de fotos foi feita nas praias da Comporta. Costuma frequentar a zona?
R.R. – Sou uma pessoa de praia e de mar. Reconheço a Comporta como destino de eleição e a praia onde fotografámos a campanha foi uma enorme surpresa. Nunca tinha estado na Praia da Galé e o areal, o mar, as falésias e as dunas envolventes são, de facto, um fantástico cenário para uma campanha como esta. Tal como o Meco, a Comporta é um sítio onde gosto de ir fazer praia quando estou em Lisboa.

Lux – Que memórias guarda do verão e das praias da sua infância?
R.R. – As melhores. Os meus pais sempre tiveram a preocupação em que fizéssemos praia, importante num crescimento saudável. O Algarve sempre foi um destino obrigatório todos os anos. Desde a Praia do Alvor, da Rocha, da Falésia, do Ancão... todas me recordam momentos felizes. Hoje, gosto muito do Meco e é um dos sítios para onde vou quando tenho oportunidade e me encontro em Lisboa.

Lux – Qual é o seu maior desejo neste momento?
R.R. – Sou uma pessoa feliz, realizada e agradecida por tudo aquilo que a vida me deu e me dá até hoje. O que não invalida de ser uma pessoa ambiciosa. Quero continuar a trilhar o meu caminho e chegar o mais longe que conseguir. Na fase que vivemos preocupo-me mais com o equilíbrio e com a concretização de projetos a curto prazo, e com outras coisas que estão na minha mente, mas que hoje não são prioritárias.

 

Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico
Comentários

pub
pub
Outros títulos desta secção