PUB
PUB
Nacional
Pote de água por Tiago Salazar: 'Reality sem show' e 'Com amigos como estes'
Tiago Salazar
Redação Lux em 14 de Janeiro de 2021 às 10:00

por Tiago Salazar

REALITY SEM SHOW I
Ora, se os apoios individuais da Segurança Social rondam as duas ou três centenas de euros e o ordenado mínimo pouco acima das seis, sendo o preço médio de um T1 idêntico ao referido salário, como é que a maioria sobrevive? Inventa expedientes, é claro. Endivida-se, pois então. Recorre aos biscates, tá claro. Entretém as frustrações de pobres diabos com a chincha e as eleições ‘amaricanas’. Os funcionários públicos, em teletrabalho e de pijama e chinelos, não respingam com os ditames de clausura. Os outros andam ao tostão. Nunca se viu tanto mendigo de mão estendida. Os roubos seguem a curva ascendente. De tudo o que estiver a jeito e à mão de semear. As massas andam a trouxe-mouxe do famigerado vírus como nos tempos medievais, receosas do contágio, acometidas do medo, da morte e da penúria. Salva-se quem puder, a apresentar programas de TV, rádio, a ler notícias da desgraça colectiva de fato e saia travada, a jogar à bola, a agenciar, a inventar vacinas. Os outros, a maioria, improvisam o pilim para dar ao dente, pagar as contas, suster os impactos colaterais de uma vaga que fará danos e sangue.

COM AMIGOS COMO ESTES I  
Não sei qual a pior conclusão, se um inimigo declarado ou um amigo farsola de mão mole, espinha arqueada e língua bífida. Em puto tive a felicidade de me dar com uma mão-cheia de amigalhaços, daqueles que repartem metade da sandes, despem a única camisola se vêem um amigo enregelado ou sacam da nota sem hesitar. Os melhores amigos que fiz foi na infância e ficaram até hoje. São como irmãos de armas e se houver azar basta gritar o santo e senha mosqueteiro. É raro fazer um amigo na idade adulta. Descobrir que um amigo nos zomba a sorte nas costas ou nos crava o kit de facas nas omoplatas até perfurar a aorta é um desgosto superior a um par de chifres, que sempre nos remete para um jardim florido. Que fazer ao farsante? Confrontá-lo com as suas facetas de ímpio e de ínvio, e aplicar-lhe uma sequência até ao knock out técnico com os argumentos todos do porquê de o estarmos a recambiar para a lixeira do astral? Ignorá-lo, como uma cadeira mal estofada de uma loja de velharias? Depois de anos de convívio e confidências, ao sabor dos ritmos de qualquer vida de animada confraria ou em desabafo de padecimentos, é triste saber que nos usam as confissões com acrimónia ou nos aludem a outros, por vezes da mesma tropa, com reles soberba. Ursos e cobras, de garras ao alto ou a rastejar, imbuídos pela intriga. Dão bons argumentos narrativos.

(Crónica publicada na Lux 1080 de 11 de janeiro)

Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico
Comentários

PUB
pub
PUB
Outros títulos desta secção