Nacional
Carina Caldeira fala no peso do apelido: 'No início, pode ter aberto algumas portas'
Carina Caldeira - ModaLisboa Multiplex 12.10.18 Foto: Tiago Frazão/Lux
Redação Lux em 14 de Fevereiro de 2020 às 17:41

Para Carina Caldeira, as conversas são como as cerejas e, ao seu lado, o tempo voa sem darmos conta. Foi o que aconteceu durante esta entrevista, agendada a pretexto do seu mais recente projeto, o programa “Glitter Show”, no Porto Canal.

Com o frio na barriga característico de quem dá os primeiros passos numa nova aventura, Carina, de 37 anos, filha do administrador da SAD do Futebol Clube do Porto, Adelino Caldeira, contou à Lux como tem sido o seu percurso no mundo da televisão, a paixão pela moda e a vida em Lisboa, cidade que adotou como sua e onde vive há já 12 anos com o marido, Francisco Cardia, de 31, e as três cadelas.

A vontade de fazer televisão "nasceu na faculdade, estava a estudar Ciências da Comunicação. Já tinha percebido que comunicar estava dentro de mim. Do nada, surgiu um casting anunciado na faculdade de que ia haver um novo canal de televisão, o Porto Canal. Fui ao casting às cegas e acabei por ficar e cair neste mundo de paraquedas. Até hoje!".

"Sou uma pessoa muito comunicativa, o que torna tudo mais fácil. No Porto Canal, logo no início, aprendi da melhor forma com a prática, e aí fui errando e fazendo, testando... Depois tive um programa que se chamava “Sala de Aulas”, que era todos os dias em direto uma hora, e essa foi sem dúvida a minha maior escola para o improviso. Passado um ano, percebi que era mesmo isto que queria e fui para Nova Iorque, três anos e meio, estudar na New York Film Academy. Com esse curso fiz vários workshops com técnicas de voz, posicionamento em frente às câmaras, informação, entretenimento e aprendi muito! Sou muito agradecida aos meus pais por sempre terem investido na minha formação. Fez mesmo toda a diferença"

A apresentadora reconhece que o apelido Caldeira lhe abriu algumas portas: "Isto é como tudo na vida. No início, pode ter aberto algumas portas, sim, da mesma forma que algumas se fecham, mas, no fim, se tiveres talento, trabalhares e agarrares as oportunidades tudo acaba por falar por si. E é igual, de quem és filha ou de onde vieste. Quando comecei no Porto Canal, o Futebol Clube do Porto não tinha qualquer ligação ao canal. A primeira pessoa a apostar em mim foi o Bruno Carvalho, que era o diretor do canal da altura".

Por último, Carina define o que é ser "glitter", nome que do seu "show": Ser ‘glitter’, para mim, é um modo de estar na vida, e sim sempre fui muito positiva e vi sempre o lado mais brilhante das coisas!

 

Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico
Comentários

pub
pub
Outros títulos desta secção