Nacional
Redação Lux em 16 de Fevereiro de 2018 às 16:00
Lançada biografia 'Béla Guttmann, de Sobrevivente do Holocausto a Glória do Benfica'
1/2 - 'Béla Guttmann, de Sobrevivente do Holocausto a Glória do Benfica'
2/2 - David Bolchover

A biografia "Béla Guttmann, de Sobrevivente do Holocausto a Glória do Benfica", da autoria do jornalista britânico David Bolchover, obra sobre o treinador que lançou a famosa maldição sobre o Benfica, é editado pela Oficina do Livro.

Antes de Mourinho e de Pep Guardiola, havia Béla Guttmann: o primeiro treinador superstar de futebol, e o homem que abriu caminho aos famosos treinadores da era moderna com as suas cláusulas milionárias.

O treinador que conseguiu duas Ligas dos Campeões pelo Benfica terá roubado o jovem Eusébio ao Sporting após uma conversa num barbeiro em que ouviu falar das qualidades excepcionas do jovem moçambicano de 19 anos.

Guttmann, que morreu a 28 de Agosto 1981, fez fortuna a vender álcool ilegal nos Estados Unidos, foi professor de dança e sobreviveu ao Holocausto escondido no sótão de um salão de cabeleireiro situado perto de Budapeste, antes de se tornar o lendário treinador da década de 60 do Benfica, cuja “maldição” ainda perdura, mesmo depois de inaugurada uma estátua no estádio e do próprio Eusébio ter rezado na campa do treinador, em 1990, pouco antes de mais um final perdida, em Viena, no Prater.

Antigo jogador de futebol, chegou a representar a selecção húngara nos Jogos Olímpicos de Antuérpia, em 1924. Enriqueceu a jogar à bola e na roleta, mas perdeu tudo em 1929, na famosa sexta-feira negra na bolsa nova-iorquina.

Na II Guerra Mundial, ainda enviado para um campo de trabalhos forçados, de onde conseguiu fugir em Dezembro de 1944, pouco antes de ser enviado para Auschwitz. O pai, irmã, e muitos outros familiares, morreram nesse campo de concentração.

Antes do Benfica conseguira ser campeão nacional pelo Porto, em 1959, mas, é, em 1961, como treinador do Benfica, que consegue a proeza de vencer a Taça dos Campeões Europeus – um feito que repetiu no ano seguinte. Saiu do clube da Luz logo de seguida, após a recusa de um aumento de 65 por cento por parte do clube, e de Salazar o ter feito comendador:

“Nem daqui a 100 anos uma equipa portuguesa será bicampeã europeia e o Benfica jamais ganhará uma Taça dos Campeões sem mim...”

O Benfica nunca mais ganhou, apesar de ter estado por mais cinco vezes na final da Taça dos Campeões. Conhecido pelas tácticas inovadoras e pelas mudanças frequentes de clube foi eleito, em 2013, por jogadores e treinadores, o nono melhor treinador de todos os tempos. "Um trabalho notável",  escreveu o jornal "L’Équipe".

David Bolcher é autor e comentador. Publicou três livros, nomeadamente o «bestseller» O Gestor de 90 Minutos, que explora os vários estilos de gestão dos grandes treinadores de futebol. Colaborou com diversos jornais, entre os quais o The Times, The Telegraph e Financial Times. Trabalhou durante três anos na investigação deste livro. Conversou com António Simões, que foi treinado por Béla Guttmann na década de 60.

Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico
Comentários

pub
pub
Outros títulos desta secção