Nacional
Pote de água por Tiago Salazar: 'Coisas da Vida'
Tiago Salazar
Redação Lux em 17 de Setembro de 2020 às 10:00

COISAS DA VIDA por Tiago Salazar

1. Ofício de viver
Há coisa mais superlativa? A sensação de estar vivo, a envelhecer saudável. O alive and kicking. O poder de ser(mos) homos artisticus em tudo o que fazemos. Ainda que ela seja frágil, complexa, contraditória, e breve, ou breve para tanto quanto se pode fazer com ela.

2. A paixão
Nada na vida, na minha pelo menos, é feito sem paixão. Pode ser um escrito, um abraço, uma corrida. Pode ser guiar um estrangeiro nas ruas da minha cidade. Pode ser responder a um inquérito. Tem de haver fogo. Fogo criador.

3. A casa
Seja a viajar e ter como casa de ocasião um quarto de hotel, seja a casa onde moram os meus amores (a família, os livros, os discos, os quadros), é lá que renasço. Ter uma vista como uma gávea é imperativo.

4. Livros
Nunca estive um dia sem um livro. Um livro a ler. O livro a escrever. Um livro como um gato a quem possa aconchegar.
5. Carros
O meu avô Gomes tinha um stand. Cresci entre carros, quando ainda se podiam distinguir ao detalhe as marcas e os modelos. Por exemplo, o Fiat 600, o Mini, o Austin. Lembro-me de andar no Lotus Elan do meu pai e experimentar a adrenalina de um Fangio. Tinha uma colecção infindável de carrinhos de brincar e uma das minhas brincadeiras favoritas era desenhar os meus próprios circuitos. Um dia, prometi ao meu botão esquerdo, terei um Aston Martin e/ou um Ferrari 330.

6. Viajar
Parece que há um gene responsável pelo instinto de partir. Esse habita-me desde os tempos de criança no bairro de Alvalade. Morar ao lado do aeroporto e ver os aviões a passar rente à janela do meu quarto deve ter aguçado o desassossego. Não pretendo encontrar a cura.

7. Yoga
O professor Carlos Rui do Centro Português de Yoga é o grande responsável por este amor tardio. Esticar o esqueleto todos os dias passou a ser uma questão de vida, na esperança de chegar a velho mais espadaúdo ou sem a marreca típica dos Salazares.
8. Charutos
O meu amigo Eduardo Miragaia, velho camarada do Jornalismo, iniciou-me neste prazer superlativo. É um ritual nocturno, sobretudo, ter um puro entredentes, e vê-lo dissipar-se num fumo lento, como tudo o que é importante, deve ser feito com o vagar de quem sobe.

9. Piano
O som do piano tocado de forma exímia (por um João Paulo Esteves da Silva, por exemplo, outra figura máxima na minha vida), é uma das forças vitais do meu equilíbrio. Glen Gould, Keith Jarret, são parte do meu ideal de Olimpo.

10. Sexo
Ficou para o fim, mas podia estar no princípio. Pode ser lido de viés, dito assim, mas como imaginar a Vida sem os prazeres de Eros (ou de Cápua)? Aprendi umas coisas a ler o Henry Miller, muito além da pornografia. Coisas da vida como ela é sem filtros. O sexo de que falo é o do sexo movido a amor, essa matéria de peso e maior enigma da humanidade em sobressalto.

(Crónica publicada na revista Lux 1063 de 14 de setembro de 2020)

Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico
Comentários

pub
pub
Outros títulos desta secção