Nacional
Nair Coelho em 30 de Dezembro de 2019 às 17:00
Teresa Tavares na reta final da gravidez: 'As crianças nascem desde que o mundo é mundo. Não vale a pena complicar!'

Teresa Tavares está a viver pela primeira vez a experiência da maternidade e não podia estar mais feliz. Ao lado do namorado, Tiago R. Santos, a atriz, que completou 37 anos a 29 de dezembro, falou com a Lux durante uma ida à loja Chicco, no Centro Comercial Colombo, em Lisboa, onde se perdeu entre as coleções da marca.

Lux – Ser mãe era um desejo antigo?
Teresa Tavares – Sempre soube que queria ser mãe, sim, mas nunca tive pressa para isso. Pensei que aconteceria no momento certo e assim foi!

Lux – Como tem corrido a gravidez?
T.T. – Muito bem! Não me posso queixar. Fiz sempre a minha vida normal, não tive sono, nem enjoos, nem nada disso. Tem corrido tudo muito bem.

Lux – Como encara todas as mudanças físicas que se foram produzindo? Sente-se bonita grávida?
T.T. – Isso é como quando não estou grávida, tem dias! [risos] Mas, acima de tudo, acho que tem de se parar de falar nas coisas só em termos do ‘bonito’ e do ‘feio’, é um processo de profunda transformação, física e emocionalmente, porque se está a criar um novo ser. E isso é absolutamente extraordinário!

Lux – Até agora, quais foram as principais dúvidas, que colocou na gravidez?
T.T. – Não me lembro de nenhuma dúvida em particular que me tenha assombrado. Quando me surgem questões, falo com a família, com a minha médica, com os amigos mais próximos e procuro informar-me. Não quis ter uma sobrecarga de informação, por isso não me pus a ler livros sobre o assunto, pelo contrário. Preferi optar por outra literatura e, quando tenho uma dúvida específica, esclareço-a.

Lux – Está uma grávida muito elegante. Que cuidados tem tido?
T.T. – Obrigada! Acho que se deve a ter continuado a fazer a minha vida normal, sempre. Trabalhei até agora, mantenho as minhas idas ao ginásio, continuo sempre a dançar e a fazer grandes caminhadas. O único cuidado extra que tive nesta fase – e que fez toda a diferença – foi passar a fazer massagens drenantes todas as semanas uma ou duas vezes por semana. Tem sido fundamental.

Lux – Emocionalmente, sente que está diferente?
T.T. – Mais uma vez, isso é o que me acontece sempre, grávida ou não! Mas sim, claro que nesta fase é mais evidente. As alterações hormonais e emocionais são imensas e é uma espécie de ‘grande viagem de descoberta, sem mapa na mão’. Até porque já percebi que varia muito de mulher para mulher. Sinto, acima de tudo, que estou mais atenta a mim e a tudo o que me rodeia. Tem sido um momento de profunda escuta e descoberta. Às vezes, é uma montanha-russa, mas isso também faz parte, é assim que sou!

Lux – Agora que a data está tão próxima, sente alguma ansiedade? Está nervosa?
T.T. – Estou tranquila. Confio no meu instinto e na equipa que me acompanha.

Lux – O parto é algo em que pensa muito ou está descontraída?  
T.T. – Não penso demasiado, não. Até porque não tenho tido muito tempo para isso. E vamos lá ser práticas: é primordial, as crianças nascem desde que o mundo é mundo. Não vale a pena complicar!

Lux – Gostava que o Tiago assistisse ao parto?
T.T. – Isso é uma questão pessoal de que não vou falar publicamente.

Lux – De que forma ele tem acompanhado a gravidez? É muito atento e presente?
T.T. – Somos uma equipa e é assim que funcionamos em tudo. Estamos lá um para o outro.

Lux – Nota que ficou mais protetor com a Teresa?
T.T. – Percebo a sua pergunta, mas, honestamente, como mulher não gosto nada que se continue a prolongar este estereótipo da ‘grávida frágil que precisa de ser protegida’. Protegidos precisamos de nos sentir todos, sempre! Em relação a isso não tenho tido razões de queixa na minha vida. Agora, as mulheres grávidas, salvo situações especiais em que têm restrições, estão perfeitamente aptas para fazer tudo, viver a sua vida e este momento em plenitude, sem necessidade de proteção especial ou de terem ‘que se poupar’. A não ser que seja essa a sua escolha. Espero que todas as mulheres tenham liberdade de escolha. Acho mais importante como mulher acabar com esses mitos, para vivermos todas de forma mais livre! Igualdade também é isso.

Lux – Sente que estão ambos preparados para a aventura que vos espera?   
T.T. – Claro que sim!

Lux – A escolha do nome Júlia foi consensual?
T.T. – Foi consensual, sim. Nem nunca tivemos outras opções. Foi sempre Júlia!

Lux – Fala muito com a bebé e sente que ela reage?
T.T. – Sim, tem sido um processo de descoberta muito bonito! E é incrível sentir as reações.

Lux – Imagina como será a Júlia e como será tê-la nos braços?  
T.T. – Imagino todos os dias. E estou muito curiosa!

Lux – Tem a mala da maternidade pronta?
T.T. – Já tenho e muito graças à preciosa ajuda da Chicco, onde encontrei tudo o que precisava para dar início a esta aventura.

Lux – O que sente quando olha para o enorme leque de produtos que são necessários para dar as boas-vindas a um bebé?   
T.T. – Só não me sinto perdida, porque tenho tido a ajuda de várias pessoas que me rodeiam para perceber o que faz realmente falta. Acho que é preciso manter o sentido prático e tentar perceber o que funcionará melhor para nós. Preocupa-me a segurança e o conforto e opto sempre por produtos que sejam práticos de usar e de transportar, que é o que vai fazer diferença depois no dia a dia. A Chicco tem um enorme leque de opções e é uma marca na qual confio plenamente. Sinto-me muito bem acompanhada.

Lux – Encontrou aqui tudo o que procurava?
T.T. – Sim, tenho encontrado na Chicco tudo o que preciso e também aconselhamento para fazer as minhas escolhas com confiança. A segurança e o sentido prático estão lá sempre e assim também é mais fácil escolher. É bom saber que é uma marca que depois acompanha o crescimento da criança nas várias fases.

Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico
Comentários

pub
pub
Outros títulos desta secção