Notícias
"É fundamental tratar os dentes de leite" por Dra Sónia Araújo Santos
Sónia Araújo Santos - médica dentista
Redação Lux em 18 de Setembro de 2015 às 17:39

"É fundamental tratar os dentes de leite" por Sónia Santos – Especialista em odontopediatria pela Ordem dos Médicos dentistas

Neste regresso às aulas, deparei-me com dúvidas dos pais sobre qual a altura em que caem os dentes de leite e qual a idade em que nascem (erupcionam) os dentes permanentes. Por isso, resolvi tirar-lhes todas essas dúvidas e resolver os mitos que rodeiam a erupção dos dentes das crianças.

Embora o processo varie de pessoa para pessoa, os primeiros dentes de leite no bebé, os incisivos, erupcionam por volta dos 6 a 12 meses, com as dores habituais na gengiva, que poderão ser atenuadas com gel tópico e com pequenos brinquedos macios de mordedura e com efeito frio, próprios para bebé. Isto aliviará as dores e a má disposição.

Estes incisivos de leite caem (esfoliação) por volta dos 6 a 7 anos, com a erupção dos incisivos centrais permanentes. Os primeiros molares de leite apenas caem entre os 9 e os 12 anos, altura em que nascem os primeiros e segundos pré-molares. Por último, os caninos de leite caem por volta dos 9 a 12 anos, altura em que erupcionam os caninos definitivos. Os primeiros molares permanentes erupcionam a partir dos 6 anos, sem cair qualquer dente de leite. Muitas vezes, os pais estão a aguardar que caia o primeiro dente de leite para ir à consulta do médico dentista, e não se apercebem de que a criança já tem dentes definitivos na zona posterior da boca, os primeiros molares permanentes. Estes primeiros molares são muitas vezes atingidos por cárie devido a isso mesmo: terem realizado a consulta tardiamente.

Assim, também será mais fácil os pais compreenderem a importância do tratamento dos dentes de leite. Muitos destes dentes acompanham as crianças até aos 12 anos. Por isso, é muito importante não terem cáries. Se as tiverem, elas devem ser tratadas. Caso contrário as crianças terão dores, desconforto, irritabilidade e dificuldade de mastigação, que leva a atrasos de desenvolvimento e infeções. Nos casos mais graves, a perda, antes do tempo devido, do dente de leite, que quando em muito “mau estado” tem de ser extraído, também acarreta alterações na sequência de erupção, causando um desequilíbrio e levando a problemas graves de alterações na mordida.

Ainda hoje pacientes e amigos me perguntam se se deve tratar os dentes de leite. Sim, é fundamental tratar os dentes de leite, e vigiá-los, prevenindo as cáries com visitas regulares ao médico dentista. Nestas consultas, poderão ser feitos vários procedimentos preventivos, para evitar as cáries, como flúor, selantes e vernizes, e ensinadas técnicas de higiene oral.

Bom regresso às aulas!

Sónia Santos – Especialista em odontopediatria pela Ordem dos Médicos dentistas

Consultório
Rua duque de Palmela 27, 2 dto 1250-097 Lisboa

Tel:914561488
 

Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico
Comentários

pub
pub
Outros títulos desta secção