Internacional
Patrícia Araújo em 10 de Maio de 2019 às 18:00
Emilia Clarke de 'Guerra dos Tronos': 'As apps que fazem as pessoas ficarem magras deviam ser banidas'
1/3 - Emilia Clarke . - 68ª edição Primetime Emmy Awards em Los Angeles 18.09.16 Foto: Reuters
2/3 - Emilia Clarke como Daenerys Targaryen Foto: DR
3/3 - Emilia Clarke como Daenerys Targaryen Foto: DR

A oitava e derradeira temporada da série “A Guerra dos Tronos” consolidou mundialmente  o reconhecimento de Emilia Clarke.

A atriz britânica interpreta a princesa Daenerys Targaryen na versão televisiva da saga criada por George R. R. Martin, considerada pelo The New York Times como uma melhores criações do autor. Também a revista Rolling Stone  deu a posição Nº1 numa lista dos “Top 40 de Personagens de A Guerra dos Tronos” e o The Boston Globe aplaude as cenas da atriz britânica como  “hipnotizantes”.

“Ela é uma mulher poderosa, que tomou o controlo da sua vida. E nestas últimas temporadas eu, como Emilia, sempre quis mostrar alguma humanidade, incertezas e fragilidade. Foi ficando um pouco mais parecida comigo. Nas últimas temporadas foi mais como um diálogo entre ela e eu” diz a a atriz  que que, para marcar o fim, fez uma tatuagem de dragões,  numa entrevista à Vogue Espanha, país onde decorreram algumas das últimas gravações da série.

 

“O bom de gravar em Espanha ou Belfast é que podia voltar a casa, a Londres, aos fins de semana. Apanhava o último voo de sexta e voltava no domingo”, conta confessando não ter conseguido conter as lágrimas nas últimas cenas. “Todos nós chorámos. Foi como uma catarse porque toda a temporada foi tremendamente emocional. Tentávamos pensar que era só trabalho, mas era inevitável separar tudo”.

Aclamada há quase uma década neste papel, a atriz britânica mostra-se muito pouco deslumbrada com o estrelato e  tem uma posição bastante crítica sobre as redes sociais.

“Atualmente estamos todos aparafusados à edição, aos filtros,temos essas ferramentas absurdas. Ninguém se parece assim”. 

Emilia, que é o rosto do perfume The Only One , da Dolce & Gabbana, acrescenta:

“As celebridades têm profissionais para trabalhar a sua dieta, o exercício, o cabelo, a maquilhagens, têm Spanx (roupas íntimas e cintas modeladoras). Não é real. É tudo falso”.

Com 20, 7 milhões de seguidores, Emilia questiona a falta de interação humana dos jovens que dão demasiada importância à imagem e vai mais longe:

“Acho que apps que fazem as pessoas editarem-se, ficarem magras ou mudarem a pele deviam ser banidas, não deviam estar no telefone de jovens. Não concordo, não gosto, não o faço”. A atriz  confessa que sofreu quando era  adolescente a comparar-se com as mulheres perfeitas que via nas revistas e na TV.

Recentemente, Emilia, cortou o cabelo e surgiu com a sua cor natural , com uma imagem bem diferente  de Khaleesi.  Confessou à Harper’s Bazzaar que  a descoloração sucessiva lhe arruinou o cabelo. “O meu cabelo estava a morrer. Por isso, tive de cortá-lo. O louro matou o meu cabelo e tenho saudades de ter um cabelo saudável”.

Em março, Emilia revelou ter sofrido duas hemorragias cerebrais graves desde a estreia da série e criou a SameYou, para promover cuidados de recuperação neurológica para jovens adultos que sofrem lesões ou derrames cerebrais..

Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico
Comentários

pub
pub
Outros títulos desta secção