Nacional
Alta Costura por Filipa Guimarães: 'Avante, estupidez!'
Alta Costura na Lux por Filipa Guimarães, jornalista e escritora Foto: Carlos Ramos
Redação Lux em 20 de Agosto de 2020 às 18:00

"Avante, estupidez!" por Filipa Guimarães

As comparações podem ser inúteis, mas todos as fazemos nesta altura em que não podemos (ou não devemos) fazer festas privadas com muitas pessoas e em que festivais de música e outros que tais foram cancelados por questões sanitárias. Já houve quem tivesse criticado a celebração do 1 de Maio, e com razão. É certo que já passaram quase quatros meses, mas a Festa do Avante é uma prepotência do Partido Comunista. E parece uma arbitrariedade do poder político, que não autoriza público nos estádios, por exemplo. Mesmo sabendo da lendária capacidade de organização do PCP, assistindo às regras e contrarregras sobre os cuidados a ter, fica uma pergunta no ar: terá a nossa democracia algum complexo para só permitir iniciativas da esquerda clássica? É, afinal, para não parecer mal a quem? Será uma composição para a multimilionária Champions League, tão fortemente criticada? Não consigo perceber porque é que temos de dizer que sim a uma festa. O fator da tradição não pode contar. Se assim fosse, teria mais lógica permitir as festas populares, essas sim completamente apolíticas e sem bilhetes de entrada. Existe um medo qualquer em dizer “não” ao PCP que é injustificável. Eu gostaria imenso de ter ido a imenso lado e não fui. Estive a ver o vídeo de promoção da festa em causa. Não há dúvida que está bem organizada: faixas de distanciamento entre as pessoas, sentidos de circulação do público. Quase parece um exame de condução pedonal, versão Covid-19, desculpem-me a ironia. O que é que a Festa do Avante tem para dizer de novo? O que é que ela tem que um qualquer outro festival não possa ter? Já lá vão os tempos em que só ouvíamos o Pablo Milanés em certames do PCP. A Festa do Avante deixou de ter, há muito, uma programação com artistas conotados com a esquerda? Também o público era multipartidário. Num tempo em que temos e teremos de nos adaptar a tanta coisa nova, a Festa do Avante podia passar a chamar-se Festa Pedante, já que de humilde nada tem. Diria mesmo que é de um autoritarismo insuportável no nosso regime político. Não se entende então, como é que os mais atiçados críticos das presidências Trump e Bolsonaro, venham depois criticá-los por negarem as evidências. Ainda há muitos idosos fechados em lares, doentes sem visitas e Portugal ainda não é destino turístico para muitos países. Sou contra esta festa, sem complexo político. Como seria contra irmos todos, com a mesmíssima boa organização do Avante, 100 mil pessoas ver o Tony Carreira ou um jogo da Champions League (ou outro qualquer), sem o tão exigido distanciamento. Esta lógica intrincada era dispensável.

(Crónica publicada na Lux 1059 de 17 de agosto)

Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico
Comentários

pub
pub
Outros títulos desta secção