Nacional
Redação Lux  com IP em 14 de Fevereiro de 2011 às 16:46
Paula Rego, a artista que inventa histórias, distinguida com o primeiro honoris causa em Portugal
A pintora Paula Rego declarou esta sexta-feira, na Universidade de Lisboa (UL), ao receber o seu primeiro doutoramento honoris causa em Portugal, que desenha situações «escondidas» nos quadros e depois inventa uma história para as explicar.

A artista de 76 anos foi alvo de uma homenagem durante a sessão de atribuição das insígnias de doutoramento honoris causa na Aula Magna da UL, a primeira concedida por esta instituição a uma personalidade da área das artes.

A atribuição, por proposta da Faculdade de Belas Artes da UL, acontece no ano em que a instituição académica cumpre um século de existência, sublinhou, na cerimónia, o reitor António Sampaio da Nóvoa.

Num auditório repleto de estudantes de todas as áreas da universidade, estiveram também presentes para congratular Paula Rego artistas como Júlio Pomar, Graça Morais, Cruzeiro Seixas e Ana Vidigal, além de representantes do Parlamento, do Presidente da República, das câmaras de Lisboa e de Cascais, onde a artista possui um museu, a Casa das Histórias, inaugurada em 2009.

A universidade mostrou um filme com imagens do museu onde a artista fala do seu trabalho e mostra algumas das obras emblemáticas.

Paula Rego reitera no filme o que tem sempre vindo a afirmar ao longo dos anos: «As histórias são importantes para nós».

Na cerimónia, depois dos elogios proferidos pelas professoras de Belas Artes Luísa Arruda e Isabel Sabino, Paula Rego voltou a falar no papel e na importância das histórias na sua obra.

«Tudo o que se faz é às escondidas, portanto pode-se fazer o que se quiser. Pode-se castigar quem não se gosta e quem se gosta. E depois inventa-se uma história para explicar tudo», comentou, acrescentando: «Hoje não é preciso esconder-me debaixo da mesa para fazer as coisas às escondidas porque tenho um atelier, disse citada pela agência Lusa.

António Sampaio da Nóvoa, reitor da UL, apontou que Paula Rego «não se fica pela superfície confortável das aparências, antes mergulha no mais íntimo de nós, e coloca-nos perante a complexa natureza humana e a nossa identidade».

Na cerimónia foi também exibida uma mensagem filmada do ex-Presidente da República Jorge Sampaio, que classificou Paula Rego de «grande pintora, de personalidade única», cuja «extraordinária carreira é motivo de orgulho para Portugal».

No ano passado, a pintora, de 76 anos, recebeu o Prémio Personalidade Portuguesa do Ano atribuído pela Associação da Imprensa Estrangeira em Portugal.

Nascida em Lisboa, Paula Rego foi estudar para Londres em 1952, na Slade School of Art, e ali conheceu e casou com o pintor britânico Victor Willing, tornando-se uma das mais conceituadas artistas do Reino Unido.

Regressou a Portugal, onde viveu até 1976 numa quinta na Ericeira, e voltou para Londres com a família, onde fixou residência e continua atualmente a trabalhar.
Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico
Comentários

pub
pub
Outros títulos desta secção