Internacional
Brad Pitt fala no seu novo papel de ‘Era Uma Vez em... Hollywood’
Brad Pitt fala no seu novo papel de ‘Era Uma Vez em... Hollywood’ Foto: DR
Redação Lux em 19 de Junho de 2019 às 10:00

Brad Pitt regressa aos ecrãs na tão esperada nova obra de Quentin Tarantino ‘Era Uma Vez em... Hollywood’. O filme, que o realizador diz que é o mais parecido que já fez com o seu icónico “Pulp Fiction”, passa-se em  Los Angeles de 1969 e baseia-se  no homicídio de Sharon Tate (e de outras vítimas), às mãos do culto de Charles Manson.

Nele, Brad Pitt é Clif Booth, um veterano de guerra que trabalha como duplo de uma estrela de cinema, Rick Dalton, personagem interpretada por Leonardo DiCaprio.

O elenco de luxo integra ainda Kurt Russell, Al Pacino, Margot Robbie, Damien Lewis, Dakota Fanning e Lena Dunham. A propósito do filme, cuja estreia acontece já em agosto, Brad Pitt reapareceu publicamente no Festival de Cannes distanciando-se, em todos os aspetos, do escândalo (o ator foi acusado de maus tratos ao filho mais velho e comportamentos agressivos devido a problemas de alcoolismo) e do seu doloroso divórcio de Angelina Jolie - oficializado no passado mês de abril, ao fim de quase três anos’.

De semblante descontraído e sereno,  o ator, de 55 anos, pisou a passadeira de Cannes, mostrando que continua a merecer o epíteto de um dos homens mais sexy deste século. Brad Pitt falou sobre o que o levou a apaixonar-se pelo guião de Tarantino, numa entrevista à Esquire:

“Certamente o período é muito divertido. E Quentin Tarantino é o último provedor do ‘cool’. Se aterramos num dos seus filmes, sabemos que estamos em ótimas mãos. Quentin dá-nos estes discursos, que gostaríamos de os ter dito na viagem de carro para casa, que continuamos a pensar neles no dia seguinte. Nós conhecemos Quentin Tarantino como um autor que leva um filme numa direção original e singular. Mas eu achei este uma evolução - e uma fusão do que amamos em noss outros oito filmes”.

A olhar para o princípio da sua carreira, Brad Pitt descreveu:

“Eu sinto o mesmo. Foi sempre a qualidade que me interessou. No início é selvagem, e é solto, e é divertido - estamos a correr, a correr, a correr atrás do sonho. Vemos o que se abre e, certamente, experimentamos muitas portas que se fecham. Mas apenas refinamos o ofício. Sentimos o mesmo mas refinamos. ”

Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico
Comentários

pub
pub
Outros títulos desta secção