Nacional
Patrícia Araújo em 10 de Agosto de 2020 às 16:12
Débora Montenegro: 'Sinto-me mais saudável agora do que quando comecei como modelo e sobrevivia à base de café e três horas de sono'

Modelo há 21 anos, Débora Montenegro foi sempre construindo um caminho paralelo ligando-se a vários projetos na área. Foi diretora de Beleza e Marcas da revista F Magazine Luxury durante quatro anos e, hoje em dia, assume definitivamente as redes sociais como meio privilegiado de trabalho como “content creator”. “Crio conteúdos para um público segmentado e desenvolvo projetos com as marcas com quem trabalho. Desde o “storytelling “ à produção e, por vezes, eventos, como é o caso da ‘La Mer’”, esclarece evidenciando que a sua comunicação “vai mais além que colocar uma foto e uma legenda”. “A minha forma de comunicar é um pouco diferente , porque gosto de criar relações com as marcas, com as pessoas, e juntos desenvolvermos o projeto. Não trabalho com estatísticas, tudo o que comunico tenho de gostar de usar e influenciar pela minha paixão, não porque me estão a pagar para fazê-lo. Não comunico para massas, até o meu público é escolhido. Sou eu que falo com as pessoas, respondo as mensagens. É um “marketing relacional” focado em criar sinergias”, explica com entusiasmo. Apesar da pandemia ter comprometido alguns projetos, Débora Montenegro reconhece que lhe trouxe novas oportunidades de trabalho no digital. No regresso à nova normalidade, acompanhámos Débora numa aula de Modern Pilates, no Holmes Place Palácio Sotto Mayor. Pretexto para fazer um balanço destes últimos tempos e conhecer os seus anseios e planos.

Que balanço faz deste período de quarentena que passou?

Passei a quarentena em minha casa sozinha, mas sempre cheia em amor da minha família e amigos. Foram tempos de conexão. Graças à tecnologia não houve momentos em que me sentisse triste ou só, pois sempre tive a certeza de que não estava sozinha. Tirei o máximo de partido de poder estar em casa, e ser bastante agradecida por viver perto da praia e da natureza, onde todos os dias descobria lugares únicos mesmo ao lado de casa. Olhando de uma maneira geral para o mundo, há muita coisa que entristece o coração de Deus. E eu acredito que em tudo há um propósito e sem dúvida que este foi um plano de Deus para a humanidade. Devemos estar mais conectados com aquele que nos criou. O ritmo louco em que vivemos faz com que nos desconectemos. A humanidade está egoísta, destruidora, gananciosa... Esta quarentena veio trazer pessoas mais humanas, pessoas que aplaudiam, pessoas que ligavam mais à sua família, que deram mais importância ao que têm do que ao que não têm, pais mais presentes, menos poluição, mais voluntariado, olhar mais pelo próximo.

Vê então consequências positivas desta pandemia…

 As pessoas começaram a aplaudir como uma forma de dizer obrigado! A terra começou a respirar, as praias ganharam nova vida selvagem, algumas pessoas começaram a cantar nas varandas, à janela, outras começaram a cozinhar. Fiz bolos, comecei a olhar mais para a minha casa e a usufruir de maneira diferente, até bricolage algo que nunca gostei de fazer, fiz. Fiz mais mais exercício ao ar livre, li muito, vi séries, filmes...dei mais valor a tudo o que tenho. A maior certeza que tinha era que dentro de pouco tempo tudo voltaria ao normal porém nós não deveríamos ser os mesmos. Acredito mesmo que foi necessário fazer um “Reset” para um “Restart”...

 O que foi mais difícil?

O mais difícil foi mesmo não poder visitar os meus avós e os meus sobrinhos, abraçá-los… Lembro me do meu sobrinho Zé Maria, de 3 anos, em videochamada me ter dito “ Bi há 6 semanas que não brincas comigo” e a contar os dedos… foi algo que me partiu o coração… No dia 28 de Abril, a minha avó completou 88 anos. Já não a via há quase 2 meses e então não resisti, preparei uma festa como se fosse o normal, levei o bolo e o kit de aniversário com tudo o que tinha direito (com todas as restrições , máscaras e distância) e as amigas da avó falaram com os bombeiros que foram cantar os parabéns. E lá foi ela à janela, eram quatro carros de bombeiros e pararam o trânsito. Deu-se ali um momento tão emocionante, com todos os vizinhos nas suas varandas e janelas a cantarem os parabéns, e a família em videochamada… como se ali estivéssemos todos juntos. Penso que noutra altura isto não seria possível . Por isso, em tudo devemos agradecer e ver os momentos especiais que esta situação nos trouxe. 

 Teve alguém próximo infetado?

Graças a Deus, a minha família em Portugal não, mas a nossa maior preocupação eram sempre os avós que já têm 88 anos e alguma fragilidade. Infelizmente, soube de um caso de uma pessoa próxima da minha família do Brasil que acabou por falecer de Covid19. Tive alguns amigos infetados mas quase sem sintomas. Estiveram sempre em casa.

A nível profissional, a pandemia comprometeu alguns projetos?

Comprometeu  um projeto que ia lançar no dia 7 de Maio e que já estou a desenvolver há quase 2 anos, mas foi adiado para Outubro (para já). Será algo muito especial, mas tudo tem o tempo certo. Eventos que tinha agendados, alguns foram cancelados. Este ano, infelizmente, não vou conseguir fazer o Evento da La Mer Blue Heart com a dimensão do ano passado com a apanha de lixo na praia onde 20% do valor reverte para a preservação dos corais através da Oceans Foundation, mas vamos fazer algo que transmita a mensagem  porque é importante estarmos ligados, agora mais que nunca que os mares estão cheios de máscaras e poluição. Mas esta foi uma altura também que o digital teve ainda mais força e acabei por começar a trabalhar com algumas marcas novas. Recebia muita coisa em casa de marcas que queriam tornar momentos especiais e transmitir esperança . Criei uma rubrica de ‘Beauty talks’ onde todas as segundas feiras havia um Live. O meu primeiro convidado foi o Pedro Crispim, falei com a Iva Lamarão, o tricologista Ricardo Vila Nova, “o encantador de cabelos”… Falávamos de cuidados de beleza mas também no contexto atual que vivíamos, cada um com a sua experiência e as pessoas gostavam muito e participavam bastante.

Quais são os projetos que espera empreender daqui para a frente?

Graças a Deus tenho tido bastante trabalho com as minhas redes sociais e há sempre projetos novos a serem desenvolvidos, por isso, sei que durante bastante tempo irei trabalhar com isso. Acabei de lançar um novo projeto com a Lenny Niemeyer Europa. É o primeiro trabalho desenvolvido cá e traz-me traz imensa honra poder comunicar esta marca que tem tanta história e que eu adoro. Tenho mais dois projetos, algo muito especial e delicado que vem a caminho.

 Como correu esta experiência da aula de Modern Pilates? 

Eu estou a adorar estas aulas e quando não faço já sinto falta! O Modern Pilates é um método para reequilibrar o corpo, melhorando a postura e funcionamento de todo o organismo. Através de um conjunto de exercícios com o foco na zona abdominal, que o Pilates denomina como o “centro da força” e na mobilidade da coluna , o método desenvolve um corpo flexível e forte, prevenindo o risco de lesões 

 Já praticava Pilates na sua vertente mais tradicional?

Todas as vezes que o fiz, sejam aulas tradicionais ou em estúdio, foi sempre no Holmes Place.  Tive resultados incríveis logo nas primeiras aulas, a nível de flexibilidade, postura e acima de tudo consciência corporal. Pilates é mais que um método, é uma filosofia de vida. Para quem procura um estilo de vida saudável, o Pilates melhora a circulação aumenta o fluxo de oxigénio e nutrientes ao cérebro e ao resto do corpo. Tenho uma maior responsabilidade com minha postura e tenho a voz da minha professora sempre presente a dizer me “ faz um ar snob” para ficar com a postura correta (risos).

 Que roupas de activewear usa?

Conheci a Melt , uma marca de fitwear e beachwear que busca respeitar a forma feminina e valorizar o seu bem estar e conforto. Confesso que estou super fá porque é muito confortável e versátil, com peças únicas e tecidos que vestem como uma segunda pele. As estampas são desenhadas à mão, cheias de cores e detalhes.

Como se sentiu a regressar ao ginásio com as novas medidas de segurança?

Confesso que em nenhuma altura senti receio. Confio nas medidas tomadas pelos clubes HP. Está sempre tudo a ser levado muito a sério e vejo constantemente esses cuidados: a limpeza, o uso das máscaras, a marcação das aulas , a limpeza dos aparelhos após a sua utilização. Neste momento, no estúdio de Pilates estou apenas eu e a professora,  o que é uma excelente opção para quem ainda não se sente confiante para frequentar o ginásio.

 Que tipo de exercício privilegia e com que regularidade pratica?

Todos os dias as 6:30h da manhã vou caminhar 14km . Faço duas vezes por semana Modern Pilates e aulas de ballet sempre que consigo.

 Com que idade é que começou a praticar exercício físico de forma regular?

O exercício físico sempre esteve presente na minha vida. Aos 8 meses comecei a fazer natação, fiz 10 anos de Ballet, andei no ténis ,joguei hóquei em patins, fazia ginásio e aulas de grupo. Quando fui convidada para ser embaixadora do Holmes Place, há cerca de 17 anos, quando os clubes HP abriram em Portugal , passei a ir ao ginásio com regularidade e gostava muito das aulas de spinning. Hoje em dia prefiro coisas mais calmas e sem dúvida que o Modern Pilates é a minha modalidade favorita.

 Durante o período de confinamento, foi fácil manter rotinas de exercício?

Todos os dias! Acho que até isso eu mudei. Fiz mais exercício físico em casa , caminhava todos os dias e fiz aulas online com a Academia Arte Move Cascais onde voltei a fazer aulas de ballet e bare fit, via zoom.

Quais são os seus rituais de beleza imprescindíveis?

Os meus rituais de Beleza são todos La Mer e cada produto acho imprescindível porque realmente é uma marca maravilhosa, que surpreende sempre. Faço também alguns tratamentos com a Dra Ana Cristina Santos Silva da Skinlife Beauty Clinic, como prevenção. Tenho uma  preocupação com o meu cabelo e, desde que conheci o Tricologista Ricardo Vila Nova, estou maravilhada com o seu conhecimento e trabalho pois consegue avaliar, através de um fio de cabelo, todos os nutrientes e vitaminas que estão em défice. Conseguiu ver que há 4 anos que não como carne e através dessa avaliação fez um tratamento à minha medida, que faço em casa e uma vez por mês no seu espaço com tratamentos de laser no couro cabeludo.

Como definiria o seu estilo de vida?

Comecei a ser uma pessoa mais saudável aos meus 27 anos. Confesso que me sinto mais saudável agora do que na década de 90 quando comecei a trabalhar como modelo e sobrevivia à base de café e três horas de sono. Aos olhos de muita gente eu poderia estar bem, mas não era assim que me sentia, eu não tinha nenhum senso de vitalidade. Fazia dietas e achava que era saudável porque vivia à base de espinafres. Não sinto mais essa pressão com a minha aparência, estou muito mais interessada no meu bem- estar físico e espiritual, porque se não houver luz interior, o exterior não pode transmitir brilho. Acredito que a verdadeira beleza é profunda para a alma. Hoje em dia preocupo-me com a minha saúde e sei que isso traz os seus benefícios. A genética leva-nos longe mas quando se chega aos 30 percebemos que se trata de cuidar do nosso corpo e dos seus níveis de vitalidade para que possamos continuar a fazer as coisas que desejamos.

Quais são os planos de férias para este verão?

 Não tenho muita coisa planeada, o que sei é que quero fazer fins de semana em vários lugares do nosso País. Quero redescobrir Portugal. O bom do nosso país é que existem muitas opções ...praia, campo , cultura ,lazer... e a cada dia que passa sou agradecida por viver neste país tão bonito.

 

 

Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico
Comentários

pub
pub
Outros títulos desta secção