Internacional
Conheça as acusações das vítimas de Harvey Weinstein
Harvey Weinstein e Georgina Chapman - Festa pós-Oscars da revista Vanity Fair 27.02.17 Foto: Reuters
Redação Lux em 25 de Outubro de 2017 às 09:00

Harvey Weinstein, de 65 anos, era um dos homens mais poderosos de Hollywood, mas, de um dia para o outro, a indústria do cinema virou-lhe as costas.

Hoje sabe-se que, afinal, os favores sexuais exigidos pelo produtor de “O Discurso do Rei”, “A Paixão de Shakespeare” ou “Gangs de Nova Iorque” eram comentados nos bastidores, e até eram feitas piadas em torno do assunto, mas durante décadas todos optaram por ficar em silêncio. Incluindo as cerca de oito vítimas com quem terá chegado a acordo.

Só agora, que a atriz Ashley Judd, de 49 anos, decidiu falar publicamente sobre o caso e a forma como o produtor a assediou em 1997, durante as filmagens de “Beijos que Matam”, é que a bomba rebentou.

“Eu disse que não de várias formas e por diversas vezes. Ele regressava sempre com um novo pedido”, revelou a atriz ao The New York Times, acrescentando que o produtor a fez sentir “em pânico”.

Depois de lançada a ‘bomba’, várias foram as atrizes que vieram a público com testemunhos semelhantes. Entre elas, estrelas como Angelina Jolie, Gwyneth Paltrow ou Cara Delevingne. Angelina Jolie contou que teve “uma má experiência com Harvey na juventude”, aos 21 anos, e que decidiu “nunca mais voltar a trabalhar com ele”. Já Paltrow recordou que, quando tinha 22 anos, o produtor a convidou para uma reunião de negócios num hotel em Beverly Hills. “Era uma criança. Fiquei petrificada”, disse a atriz.

A modelo e atriz Cara Delevingne relatou que Weinstein lhe chegou a dizer que “se me assumisse abertamente gay não poderia triunfar em Hollywood” e, mais tarde, tentou beijá-la na boca.

As consequências da investigação feita por Ronan Farrow, filho de Woody Allen e Mia Farrow, para o The New York Times, não se fizeram esperar. A empresa que o produtor fundou com o irmão, em 2005, a The Weinstein Company, demitiu-o, a Academia que atribui os Óscares expulsou-o, bem como a BAFTA, e Macron, o presidente francês, deu ordem para lhe retirarem a distinção de cavaleiro da Legião de Honra, recebida em 2005.

Também a mulher, a estilista Georgina Chapman, colocou um ponto final no casamento de dez anos. “Tenho o coração partido por todas as mulheres que sofreram uma dor tremenda com estas ações imperdoáveis”, afirmou, a mãe dos dois filhos mais novos de Harvey Weinstein, que está internado numa clínica de reabilitação onde espera tratar o vício de sexo.

Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico
Comentários

pub
Mercado
pub
Outros títulos desta secção