Internacional
Woody Allen defende-se das acusações de abuso sexual após boicote ao seu novo filme
Woody Allen - Apresentação de Cafe Society - 69.º Festival Internacional de Cinema de Cannes 11.05.16 Foto: Reuters
Redação Lux em 9 de Setembro de 2019 às 16:31

Woody Allen abriu esta sexta-feira, 6 de setembro,o Festival de Deauville, em França, para apresentar o mais recente filme, Um Dia de Chuva em Nova Iorque, e aproveitou o tempo de antena para dizer à cadeia France Inter que aqueles que o atacam cometem “um erro”.

Boicotado por distribuidoras norte-americanas na sequência de acusações de abuso sexual, a Amazon cancelou a distribuição do seu filme e também muitas estrelas condenaram-no publicamente. Timothee Chalamet e Rebecca Hall disseram que iam doar os seus salários renegando o dinheiro ganho com Woody Allen. Outros como Colin Firth, Greta Gerwig e Mira Sorvino, afirmaram estar arrependidos por terem trabalhado com Woody Allen.

“Mas as pessoas estão sempre a cometer erros, não é trágico. Devem levar o meu filme para os Estados Unidos, tomar consciência da verdade”, frisou.

"Trabalhei com centenas de atrizes. Nunca nenhuma delas se queixou de mim. Empreguei mulheres nos postos mais altos. Em todos essses postos, durante todos estes anos, foram pagas com os mesmos salários que os homens", afirma à revista Le Point para rebater as acusações lançadas pela sua filha adotiva, cujos argumentos foram apoiados pela sua mãe e ex-mulher do realizador Mia Farrow e o filho,  Ronan Farrow.

Recorde-se que muitas estrelas como Pierce Brosnan, Scarlett Johansson, Javier Bardem, Diana Keaton o Catherine Deneuve defenderam o cineasta. Diane Keaton destaca-se nesta sua defesa do realizador e Alec Baldwin, que entrou em três filmes do realizador, reagiu expressando o seu apoio a Woody Allen. O ator considerou a acusação "injusta e triste para mim" e lembrou que trabalhar com Allen foi "um dos privilégios" da sua carreira.

Recorde-se que nos anos noventa, Woody Allen foi investigado na sequência das acusações e considerou-se que não havia indícios para prosseguir com o caso. Uma equipa de médicos e psicólogos do Hospital Yale-New Haven, acionada pelos investigadores do New York State Child Welfare (responsável por averiguar crimes dessa natureza), concluiu que não houve abuso e o cineasta nunca foi formalmente acusado.

Recentemente, na esteira do movimento #MeToo, Dylan Farrow, filha adotiva de Allen com a sua ex-mulher Mia Farrow, voltou às acusações de abuso sexual na sua infância.

Recorde-se que nos anos noventa, Woody Allen foi investigado na sequência das acusações e considerou-se que não havia indícios para prosseguir com o caso. Uma equipa de médicos e psicólogos do Hospital Yale-New Haven, acionada pelos investigadores do New York State Child Welfare (responsável por averiguar crimes dessa natureza), concluiu que não houve abuso e o cineasta nunca foi formalmente acusado.

No ano passado, na esteira do movimento #MeToo, Dylan Farrow, filha adotiva de Allen com a sua ex-mulher Mia Farrow, voltou às acusações de abuso sexual na sua infância.

 


 

 

Já Alec Baldwin, que entrou em três filmes do realizador, reagiu expressando o seu apoio a Woody Allen. O ator considerou a acusação "injusta e triste para mim" e lembrou que trabalhar com Allen foi "um dos privilégios" da sua carreira

Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico
Comentários

pub
pub
Outros títulos desta secção